Vários aspectos podem contribuir para um dinamismo melhor no trabalho e aumentar a produtividade

O futuro do profissional depende da dinâmica, comunicação e mais ainda da produtividade. É importante que o funcionário saiba usar o tempo a seu favor para lidar com múltiplas tarefas e prazos curtos, prezando ainda pela qualidade.

A distração é o principal inimigo da produtividade e não significa que trabalhar o dia todo sem parar irá resolver. Alguns métodos podem te ajudar a ter um dia mais tranquilo, organizado produtivo.

Primeiro comece montando um cronograma organize suas tarefas diárias, seja em um caderno, numa planilha do computador ou até mesmo em aplicativos para celular. Priorize as atividades com prazos mais curtos. Não esqueça de separar uns 10 ou 15 minutos para fazer pausas, afinal relaxar também é essencial.

Não adianta mentalizar é preciso agir! Siga seu cronograma e mantenha o foco.

Evite pesquisas desnecessárias durante o trabalho, a internet pode muitas vezes auxiliar, mas pode prejudicar muito a sua produtividade. Algumas empresas liberam o uso das redes sociais, mas é importante deixar para acessá-las apenas nas pausas. Além disso, não fique o tempo inteiro atualizando a sua caixa de e-mails, separe um tempo exclusivo apenas para lê-los e respondê-los.

Aliás, é importante que sejam feitas algumas pausas durante o dia, trabalhar durante muito tempo seguido gera muito estresse e desânimo. Tome um ar, converse com os colegas. Aproveite para comer um lanche e beber bastante liquido, afinal a alimentação é fundamental para que se mantenha ativo durante o dia.

Outra dica importante é se desprender do perfeccionismo. Faça um trabalho com qualidade e empenho, mas não dedique tempo demais a uma tarefa apenas para deixá-la perfeita. Isso pode trazer problemas relacionados a prazos e ainda tomar tempo de outras atividades.

No final de cada dia revise seu cronograma e veja se conseguiu cumprir todas as suas tarefas, se necessário ajuste alguns detalhes e já se organize para o dia seguinte. Não vá embora correndo e estressado, procure deixar seu local de trabalho organizado. Isso te deixará mais motivado no dia seguinte.

De tempos em tempos avalie seu desempenho e destaque os pontos em que precisa melhorar, busque aprimorar seus conhecimentos sempre que puder, faça alguns cursos, leia e estude bastante sobre a sua área e suas atividades.

 Por Tom Vitor de Freitas


Pesquisa revela que profissionais que intervalos de descanso têm melhor produtividade do que aqueles que trabalham direto.

Se você pensa que para ser produtivo e cumprir bem as tarefas do dia é passar oito horas diárias sentado numa cadeira de escritório, engana-se. De acordo com o coautor do livro “Emotional Intelligence 2.0” (Inteligência Emocional 2.0), Travis Bradberry, trabalhar oito horas por dia sem intervalos está ultrapassado. Agora o correto é fazer pequenos intervalos e descansar a cada hora.

A ideia de Travis baseia-se em um estudo do "Draugiem", grupo de tecnologia da informática, que mediu a quantidade de tempo que funcionários gastavam cumprindo várias atividades e também mediu o grau de produtividade, tudo através de um programa de computador.

Eles chegaram a conclusão que não tinha grande importância o tempo total da jornada, mas o que importava é como era estruturada. Foi identificado que os profissionais que paravam as atividades por curtos períodos para descansar apresentavam mais produtividade do que aqueles que passavam longos períodos trabalhando.

Estimou-se que o ideal seriam 52 minutos de trabalho com intervalos curtos de 17 minutos para descansar. Os funcionários que cumpriam essa rotina conseguiam um nível alto de concentração no trabalho, eles focavam 100% nas tarefas pelo período de uma hora, sem distrações.

O autor, que também é psicólogo e presidente da Consultoria Empresarial "TalentSmart", garante que o cérebro humano precisa alternar períodos de muita energia, por volta de uma hora, para em seguida relaxar de quinze a vinte minutos.

Quatro dicas para alcançar o ritmo ideal de trabalho:

Dividir seu dia em curtos intervalos: Bradberry diz que conseguimos planejar com naturalidade todas as tarefas diárias, semanais e mensais, porém, é mais positivo se focarmos no que conseguimos realizar neste momento.

Respeitar seu momento: Durante o trabalho usamos um pico de energia para manter um alto nível de concentração, a tarefa não deve ser interrompida para fazer coisas sem importância com olhar o celular ou entrar nas redes sociais.

Descanse o corpo e a mente: Se deseja aumentar sua produtividade descanse de fato durante o intervalo de trabalho, esqueça suas tarefas.

Não espere ficar cansado: Se esperar seu corpo dar sinais de cansaço, pode ser tarde. Lembre-se que é melhor descansar por curtos períodos, do que trabalhar cansado e com a mente distraída.

Por Ruth Galvão


Você sabe cuidar bem do seu ambiente? E sabe também que nosso ambiente, seja ele de trabalho, residencial, enfim, qualquer que seja, sempre terá uma influência direta sobre nós, principalmente em nossa personalidade?

Nosso ambiente possui uma influência considerada importante em nossa vida, pois sentimos e vivemos de acordo com o que ele passa para nós e sobrevivemos a partir disso. Portanto, nossa capacidade de adaptação está atrelada mais à fatores externos do que internos.

Um dos fatores internos que podem nos influenciar é poluição, barulhos, trânsito, temperaturas, fumaças, entre outros. Para que possamos levar uma vida mais saudável, é preciso controlar ou tirar de vez essas influências, pois podem prejudicar nossa saúde de forma excessiva.

A seguir, você poderá contar com algumas sugestões para tornar seu meio ambiente mais agradável e saudável para você viver com mais qualidade de vida:

– Planejamento

Tenha sempre consciência da importância do planejamento. Priorize a funcionalidade e a estética quando você for planejar a sua casa ou mesmo o seu espaço de trabalho. Arrume toda a bagunça, controle o barulho e deixe o quarto aconchegante e convidativo para uma boa noite de sono e repouso.

– Segurança

Preze pela segurança. Quando você estiver dirigindo, principalmente quando estiver pegando estrada, mantenha-se seguro. Caso não esteja se sentindo muito bem, tanto fisicamente como psicologicamente, peça para que alguém dirija para você.

Uma outra sugestão de segurança é equipar sua casa com móveis ergonômicos, é seguro, confortável, evita acidentes e ainda não ocupa nenhum espaço.

– Tecnologia

Tenha controle sob a tecnologia senão ela controla você, assim, você evita sobrecarga de informações.

– Racionamento

Contribua com o meio ambiente evitando o desperdício de energia elétrica e água. Priorize também o consumo de materiais que são recicláveis e contribua com isso.

– Cuidados pessoais

Evite a exposição ao sol quando não estiver sob a proteção de um bloqueador solar. Isso pode evitar consequências à longo prazo.

Por Daniela Almeida da Silva


Além do prazer da reflexão, distração e divertimento que os filmes trazem, alguns permitem e transmitem valores que auxiliam a guiar a vida profissional, e nos agregam valores indispensáveis para a convivência social, inclusive no ambiente de trabalho. Segue abaixo algumas indicações de longas metragens:

  • A Firma (The Firm – 1993)  – O filme pretende mostrar que é possível conviver com todos os tipos de pessoas durante a carreira profissional, já que não é possível selecionar com quem se trabalha, e também mostra o jogo de sobrevivência, através da sabedoria e do discernimento, necessário para “ganhar” de profissionais de má índole;
  • Coração Valente (Braveheart – 1995) – O filme enfoca no quesito liderança. Mostra que líderes se identificam facilmente com seus liderados. O enredo mostra também os bons resultados que uma boa gestão de um chefe pode trazer;
  • A Procura da Felicidade (The Pursuit of Happyness – 2006) – O filme traz lições como resistência, persistência, vitória, determinação, indispensáveis para sucesso em uma carreira;
  • O Segredo (The Secret – 2006) – O Segredo revela o mistério de usufruir do poder da mente. Promove reflexões sobre mudanças em hábitos e maneiras de pensar que podem influenciar positivamente no viver. O filme auxilia no autoconhecimento, no favorecimento da vida pessoal e profissional;
  • Uma secretária de futuro (Working Girl – 1988) –  O filme mostra da importância da persistência para o sucesso profissional. Sabedoria para lidar com quedas e continuar a desempenhar suas tarefas. Saber ter boa convivência em grupo e aproveitar todas as oportunidades que possam eventualmente surgir;
  • O Mensageiro (The Postman – 1997) – O Filme, voltado para liderança, enfoca a presença e o exemplo do bom líder. O longa apresenta figuras de líderes que auxiliaram na reconstituição do governo norte-americano e apresenta características, principalmente de persuasão, importantes para inspirar, seduzir e delimitar metas coletivas e individuais;
  • O Discurso do Rei (The King's Speech – 2010) – O filme desenvolve o pensamento que, para se obter sucesso profissional é preciso estar sempre em treinamento, e sempre estar apto a submeter-se a orientações dos mais experientes;
  • O Diabo Veste Prada (The Devil Wears Prada – 2006) – O filme representa a relação clara entre uma chefe exigente e uma funcionária determinada, que a princípio não entendia nem valorizava nada do segmento da empresa em que trabalhava e que em pouco tempo evoluiu e tornou-se destaque na empresa;
  • Gladiador (Gladiator – 2000) – O longa mostra que determinação e convicção encaminham sempre à vitória, sem outra opção.

Dicas instigantes para unir o agradável ao profissional!

Por Marina Lara


Márcia era secretária da diretoria de uma multinacional. Tinha quase dez anos de firma mas um dia o chefe a fez trabalhar até tarde e, cansada e desolada, abriu o seu Twitter e desabafou com a frase “meu chefe é um saco, queria mesmo não trabalhar aqui”. No dia seguinte, foi demitida da empresa porque um colega de trabalho viu a frase e comentou com o patrão.

A personagem pode ser fictícia, mas a história está ficando cada vez mais comum, então é muito importante ter cuidado com o uso de redes sociais. A principal dica desse texto é quanto à exposição. Você tem rede social, seus colegas de trabalho, bem como os gerentes e diretores da empresa também, então melhor evitar constrangimento como fotos ousadas, comentários sobre festas mais descontroladas e sua vida pessoal em geral.

Com tais ações, podem comprometer uma visão de trabalho entre chefe e empregado e até mesmo gerar comentários inadequados em ambiente de trabalho quanto a sua vida particular, causando um mal estar totalmente desnecessário. Então, evitemos.

Frases degradantes sobre a empresa ou colegas de trabalho também devem ser regras na sua etiqueta social. Saiba que muitas empresas contratam ‘gerentes de redes sociais’ com o único intuito de monitorar tudo o que é falado sobre a logomarca, bem como a vida virtual dos funcionários e as informações antes escondidas podem chegar fácil a uma diretoria, causando demissão por justa causa.

O uso de redes sociais em excesso no trabalho também é de péssimo gosto. Muitas empresas já bloqueiam o acesso a tais sites através de redes internas mas, mesmo que não o tenham feito, evite. Afinal, você é pago para trabalhar e nem todo chefe verá seu ‘relax’ em horário e ambiente de trabalho como algo ‘normal’ ou ‘natural’.

Por Lidianne Andrade


Dificilmente uma pessoa que trabalha na frente do computador apenas digita, ou atende ao telefone. Múltiplas tarefas são realizadas durante o dia e ao mesmo tempo isso significa falta de foco.

As pessoas que geralmente adotam esse método apostam nele como uma forma de recuperar tempo perdido ou fazer o “serviço render”. Mas as pessoas se enganam com relação ao tempo gasto trabalhando dessa forma, mesmo porque se o individuo conseguir focar e cumprir uma atividade de cada vez o seu dia será muito mais produtivo.

Pesquisas afirmam que as distrações no ambiente de trabalho geram 53% de improdutividade entre os funcionários.

Entre as principais causas apontadas pela distração no ambiente de trabalho estão as redes sociais, caixas de emails, as mensagens instantâneas são o que mais fazem com que as pessoas percam o foco.

Busque a concentração e seja mais produtivo, o seu chefe irá agradecer.

Por Milena Evelyn


O que é realmente a felicidade no trabalho?

Há alguns anos atrás poderíamos dizer que ter estabilidade, salário dentro da média e registro em carteira seriam os principais fatores.

Atualmente quando esse assunto é abordado, notamos algumas mudanças, o crescimento profissional, ambiente de trabalho com boas condições de desenvolvimento e reconhecimento, são os mais citados na categoria emprego desejado.

Definir felicidade não é nada fácil, nem mesmo os motivos que deixam uma pessoa feliz, pois, cada individuo tem uma visão diferente sobre esse conceito, além do mais, a felicidade é um sentimento subjetivo.

Portanto, precisamos identificar em nós o que nos traz felicidade, e aprender a diferenciar ser feliz no trabalho e ser feliz com o trabalho. Isso irá depender de cada um, se auto conhecer irá influenciar muito e também ajudará nesse processo.

Por Milena Evelyn


Uma das grandes dificuldades enfrentadas por profissionais iniciantes em uma empresa é a insegurança. Dúvidas quanto à realização do serviço, aceitação do pessoal, período de adaptação, “feedback” positivo do chefe, entre outros. Estas avalanches de pensamentos são, na sua grande maioria, negativos. Estar atento para o surgimento de consequências em função destes pensamentos é primordial.

Sentimentos de raiva ou medo surgem durante a vida e, saber administrá-los para que não se tornem uma constante, faz-se necessário para lidar com situações cotidianas. Observe que ignorar os fatos acarretará na dominação da insegurança. Nem sempre uma característica de atitude de pessoas que trabalham num mesmo ambiente significa algo negativo. A insegurança poderá distorcer a visão perante uma situação.

Por Patricia Gujev

 


O termo empregabilidade foi criado no fim dos anos 90 e remete à capacidade de um profissional estar empregado, mas muito mais do que isso, a capacidade do profissional  de ter a sua carreira protegida dos riscos inerentes ao mercado de trabalho, criando novas oportunidades, transformando a qualificação em atitudes como iniciativa, criatividade e bom relacionamento. E para isso é necessário autoestima, a confiança em nosso modo de pensar, enfrentar os problemas e principalmente o direito de ser feliz.

Para melhorar a autoestima vai algumas dicas, listadas a baixo :

  • Preocupe-se positivamente, não deixe que a ansiedade seja sua amiga;
  • Confiança é uma atitude que se expande com  a experiência  e reduz a ansiedade;
  • Sua vida é digna de um motivo nobre;
  • Junte-se a uma equipe, vença a timidez, vá à luta e comemore as vitórias e aprenda com os seus erros. Só quem não faz nada não comete erros;
  • Pratique a tolerância, você gostará muito de si mesmo;
  • Coragem é agir com medo e não sem ele. Se o desafio for grande pra você, é natural que fique nervoso;
  • Deixe de se irritar por pouca coisa, convertendo a atitude de ódio, tão corrosiva, pela de amor, que é expansiva;
  • Para termos confiança nas pessoas, primeiro temos que confiar em nós mesmos.

Acredito que com essas dicas você conseguirá ter sua autoestima em alta e pra você que está aí um pouco caído, levanta a cabeça  olha pra frente e comece agora mesmo a praticar. Perceba que um vencedor, aquele que está em destaque,  possui sempre um sorriso no rosto ( autoestima – sentir a vida, estando de bem com ela. )

Por Edilson R. dos Santos


As relações interpessoais num ambiente de trabalho são um dos fatores determinantes para que as atividades desempenhadas, por um setor ou departamento, sejam eficientes, competentes e criativas. A relação individual entre patrão e funcionário torna-se, então, ponto crucial numa perspectiva de harmonia entre todos os envolvidos.

A reciprocidade, no sentido de dar e receber na medida certa, é uma característica do profissionalismo que mais se destaca, sendo até essencial, tanto para o empregado, na busca de manter e crescer dentro de sua área de atuação, como para o patrão, seja este o próprio empresário ou aquele que ocupa um cargo de confiança e assim, deve apresentar resultados.

A aplicabilidade desta característica determina tempo, observação, autoavaliação e predisposição para estabelecer prioridades que, em alguns momentos, significa abster-se de convicções e certezas, bem como reconhecer os próprios erros.

Por Patricia Gujev


Quando o funcionário está motivado e cheio de idéias é difícil algo tirar esse interesse. Porém, as conversas paralelas têm o poder de tirar a concentração, atrapalhar o pensamento e a linha de raciocínio do colaborador.

As conversas ao redor do funcionário empolgado podem interferir no rendimento e no seu resultado final.

Nem sempre é fácil lidar com essa questão, principalmente, se as pessoas que estão causando esse incômodo forem colegas.

Mas o ambiente de trabalho deve ser respeitado e lembre-se ali sempre será o ambiente de trabalho.

Sendo assim, manter o foco é primordial.

Por José Alberi Fortes Junior


Falam e cansam-se de falar, contudo a maioria das pesoas insiste em comportamentos inadequados, isso no dia-a-dia e no Ambiente de Trabalho, principalmente.

Nunca devemos levar as pessoas a sério, é verdade, principalmente em se tratando de nós mesmos.

Estou falando que você não deve se levar muito a sério, pois você não é a pessoa mais importante!

É primordial levar em consideração o pensamento das pessoas, não exatamente as suas opiniões. Deve-se ter em grande estima aquilo que as pessoas próximas  pensam (e às vezes, sentem). A partir de uma visão reflexiva, a gente pode tirar conclusões quase acertadas sobre tudo o que ouvimos e, entendemos, não cabendo juízos temerários sobre as coisas e as pessoas, somos seres humanos e, por isso, responsáveis.

Temos, realmente, um grande papel a desempenhar diante daqueles que se acercam de nós e com os quais nos propusemos a conviver. Comportar-se bem, exige mais que mera postura, exige a quebra da mesma e um pouco de coragem para aveturar-se além das conveniências e das aparentes imposições do cotidiano.

Por Lindomar Vieira


Existe um ditado que todas as pessoas deveriam ter em mente em todos os setores de suas vidas: “O que não tem solução, solucionado está”. Na empresa essa máxima também é verdade. Certos problemas e situações irremediáveis precisam ser esquecidos e as atenções voltadas para eles não se repitam.

Seu concorrente apresentou um preço ou proposta que você não pode cobrir? As exigências do cliente simplesmente não são realizáveis pela companhia? Seu departamento foi extinto e você, realocado para um outro? Aceite a situação ou a dificuldade e se adapte a eles, já que há como resolvê-los. Não adianta ficar remoendo essas coisas. O melhor mesmo é seguir em frente e se focar naquilo que você é capaz de solucionar.

Uma certa dose de resignação às vezes poupa sofrimentos no mundo corporativo. Tome a sua no momento certo e comece a acumular menos frustrações.


Você muito provavelmente já deve ter convivido com pessoas com um gênio terrível no seu local de trabalho. Tolerância e paciência são palavras inexistentes para elas e tudo é motivo para discussões, brigas e mal-entendidos. Esse tipo de postura tumultua qualquer empresa, tornando o ambiente um barril de pólvora sempre prestes a explodir.

Um indivíduo destemperado é alguém que tem sérias dificuldades em lidar com frustrações. Se as coisas não acontecem como ele imagina, sua defesa é esbravejar, gritar, xingar e ofender. Mal sabe ele que isso só piora ainda mais a situação, pois ninguém está disposto a suportar essa espécie de comportamento. Ele só acaba gerando mais e mais inimizades, até que se atinja um ponto em que o trabalho em grupo e a convivência se tornem insustentáveis. Ele precisa ter a consciência de que se essa atitude não mudar, sua sobrevivência no mercado de trabalho moderno será de curto prazo.

Colaboradores brigões aí vai uma dica: reflitam sempre se vale a pena iniciar um conflito. Em 99% dos casos, vocês verão que isso é perda de tempo e que quase sempre tudo pode ser resolvido de modo pacífico e sem traumas para todos os envolvidos.


Quem não conhece indivíduos que se consideram os donos da verdade? Eles estão sempre a par de tudo e parecem não estar sujeitos a uma das condições inerentes a um ser humano: o erro. Essa postura costuma afastar as pessoas em volta tanto na vida pessoal como no trabalho.

Num ambiente corporativo, cada pessoa tem uma maneira de ser e de agir. São as marcas registradas de cada indivíduo. Mas certos posicionamentos como o de “sabe-tudo” sempre acabam trazendo problemas. Esses sujeitos inibem a participação dos demais, pois frequentemente tem resposta para tudo. O debate, então, é minimizado, o que pode empobrecer o dia a dia e os  planos a respeito daquilo que se deseja realizar.

Contribua com seu conhecimento e suas impressões sobre tudo que puder na empresa. Mas não queira estar acima de todos os demais, comece também a ouvir e tirar proveito do que seus colegas tem a dizer. Quem sabe você não descobre uma infinidade de coisas que ainda não sabia.


Em qualquer organização, as atividades de rotina, os projetos e as decisões estão baseados em informações-chave. As pessoas que detém essas informações algumas vezes as guardam para si mesmas, imaginando assim poder tirar algum proveito desse fato. Esse tipo de atitude só prejudica o andamento de tudo e ainda pode causar divisões em equipes.

É preciso lembrar que todos devem trabalhar em prol da companhia, e não apenas olhando para si próprios. Omitir, esconder e reter detalhes fundamentais para que as coisas fluam demonstra egoísmo e uma profunda falta de maturidade. Esses indivíduos tentam ser o centro das atenções de uma maneira forçada, só pelo fato de saberem o que os demais ainda desconhecem.

Compartilhe de forma ostensiva com a equipe toda e qualquer informação importante que você receber na empresa. Se todos estiverem cientes a respeito de tudo que for relevante, será mais fácil caminhar de mãos para que os objetivos finais sejam atingidos.


Seu colega cometeu um deslize no trabalho. O fato é que não é a primeira vez e ele é mal visto desde então. Desse modo, ele lhe pede para assumir o erro ou dividir a responsabilidade com você.

Mas será honesto ou ético “assumir a bronca” de alguém?

Todo ser humano adulto precisa estar consciente de seus direitos e deveres. E quando esses deveres são negligenciados e falhas são cometidas, é preciso estar preparado para suportar as consequências. Tomar para si o peso do erro de outra pessoa para ajudá-la só terá efeitos prejudiciais, pois irá incentivá-la a continuar não arcando com a responsabilidade de seus atos.

Só responda frente à empresa pelos seus próprios atos. Não tente defender os outros de enrascadas dividindo culpas, pois isso só torna as coisas piores para ambas as partes envolvidas.



Quantas pessoas você conhece que desempenham suas atividades de forma simplesmente automática? Elas simplesmente não se importam com o resultado que o trabalho delas está tendo. Dia após dia executam a mesma tarefa, muitas vezes sem saber o porquê disso.

Toda atividade laborativa tem uma razão de ser e visa a um resultado. Principalmente no mundo competitivo de hoje, nada é feito por acaso. O que muitas vezes torna a função de uma pessoa enfadonha é fato de ela executá-la sempre da mesma forma, sem perceber como isso pode refletir no objetivo final. Quando se enxerga claramente uma meta a atingir, qualquer trabalho parecerá mais desafiador.

Comece a focar seu trabalho em objetivos práticos e concretos. Quem sabe então ele não passará a fazer mais sentido para você.


Pessoas que trabalham juntas diariamente precisam estar afinadas umas com as outras. Afinal, elas passam boa parte de suas vidas interagindo e trocando informações e experiências. Existem modos inteligentes de fazer com que esses indivíduos se integrem sem que eles mesmos percebam.

Organizar uma escala alternada para que todos tragam um doce uma vez por semana, estimular que cada um conte o que fez no final de semana, promover um amigo secreto na época de Natal na empresa, instituir a prática de cada aniversariante oferecer um bolo aos demais. Todas essas ações contribuem para que as pessoas se conheçam melhor e se sintam mais à vontade umas com as outras.

Indivíduos que sabem mais a respeito uns dos outros se sentem mais confortáveis para trabalharem juntos. Incentivar isso pode ser um grande trunfo para construir uma equipe vencedora.


Quem nunca se deparou com a situação de um colega de trabalho com mau hálito? Ou com aquele que não toma banho todos os dias e exala mau cheiro? Ou ainda com aquele que usa a mesma roupa a semana toda? Higiene e asseio são itens indispensáveis para a vida em sociedade e na empresa isso também é sempre válido.

Nada mais desagradável que ter que conviver com alguém que não segue as regras básicas de higiene. As medidas de asseio individual e coletivo jamais podem deixar de ser observadas em um ambiente corporativo.

Comparecer ao trabalho limpo, barbeado (no caso dos homens) e com roupas em condições mínimas de uso são parte disso. Lavar as mãos após usar o sanitário também. Se você tem problema de halitose (mau hálito), identifique o mais rápido possível a causa e trate-a.

Todos se sentem bem perto de pessoas que observam as normas de higiene. Além de estar respeitando os outros, quem é asseado demonstra respeito a si mesmo e à própria saúde.


Toda empresa tem um código de conduta quanto ao vestuário de seus colaboradores, seja ele formal ou informal. Algumas estabelecem o uso de uniformes, outras exigem traje social, em algumas o casual já serve. O  importante é perceber qual é o costume e tentar se enquadrar nele.

É muito desagradável quando alguém se traja de maneira inadequada num ambiente de trabalho. Em geral, para os homens, mesmo nos dias de maior calor, bermudas e camisetas do tipo regata não são aceitáveis. Para as mulheres, o abuso de decotes, transparências ou saias e vestidos muito curtos também podem gerar desconforto. É preciso encontrar um equilíbrio e tentar seguir mais ou menos o que os demais estão usando.

Vestir-se de maneira sóbria no trabalho é uma questão de bom senso. Adapta-se ao padrão do lugar onde você trabalha e evite situações desconfortáveis.


O preconceito é uma das piores maneiras que existem de se reagir às diferenças entre as pessoas. No ambiente de trabalho, ele é uma atitude que mina relacionamentos, gera desunião nas equipes e compromete a produção.

Discriminação por sexo, raça, orientação sexual, religião. Qualquer tipo de preconceito representa o extremo da intolerância.

No ambiente corporativo, ele dificulta, e muito, a interação entre os indivíduos, o que reflete em prejuízo para o bom andamento das atividades laborativas. Além disso, podem passar a existir até mesmo problemas legais pois aqueles que são vítimas de preconceito tem direito de recorrer à Justiça, e com toda razão.

Aceitar o diferente demonstra maturidade e boa vontade. É saber conviver com a diversidade que está em todo lugar.

Não somos todos iguais. Ainda bem que não. Aprender a conviver com isso é a marca distintiva entre um profissional consciente e aquele que ainda tem muito a experimentar.


Nada como chegar à empresa pela manhã e ser recebido pelas pessoas com um sorriso. Parece a que a rotina tão extenuante torna-se um pouco mais fácil quando as pessoas são recebidas umas pelas outras com alegria para mais um dia de batente.

Todas as pessoas tem problemas. A vida não é feita apenas de facilidades. No entanto, reagir aos problemas com mau humor e cara fechada simplesmente não ajuda a resolvê-los. O que faz a diferença é encará-los de maneira positiva, rir de si mesmo. Distribuir sorrisos pode mudar o dia de alguém. Se o indivíduo estava desanimado e ia produzir pouco naquele dia, quem sabe uma demonstração de positividade o ajude a ficar melhor.

Espalhe demonstrações de energia positiva no seu trabalho. Você vai perceber que o ambiente se tornará melhor para todos e com certeza as pessoas irão estar motivadas a render muito mais.


Nas organizações de uma forma geral, existem maneiras padronizadas de executar cada tipo de atividade. A padronização uniformiza o tratamento que é dado as coisas e quase sempre facilita a rotina. Mas há momentos em que é preciso ter jogo de cintura para se adaptar àquilo que escapa ao previsível.

A flexibilidade tornou-se uma característica fundamental para toda empresa moderna. O mercado, os clientes e os parceiros de negócio tem as exigências o mais diversas possíveis. Estar preparado para atender a essas exigências exige uma enorme capacidade de acomodação. É preciso conciliar necessidades e interesses.

Ceder aqui, flexibilizar ali.

Às vezes, fugir de um procedimento convencional pode ser a diferença entre conquistar um novo cliente, fechar um contrato interessante ou estabelecer uma parceria de sucesso ou não.

Esteja preparado para ceder, mudar, adaptar. Só assim você será capaz responder a todas as situações com que você vai se defrontar no dia a dia corporativo moderno.


Todas as organizações acabam passando mais cedo ou mais tarde por momentos turbulentos. Crises econômicas, acirramento de concorrência, realinhamento do mercado. Todos esses eventos podem trazer dificuldades para a empresa. É em momentos como esse que os indivíduos devem assumir a responsabilidade para poder mostrar realmente a que vieram.

Em épocas complicadas, é possível ver claramente a diferença entre as pessoas que só fazem o “básico” e aquelas que realmente estão comprometidas. As que se limitam ao essencial, sentam e reclamam das adversidades. As comprometidas arregaçam as mangas e buscam oportunidades em meio às incertezas. Elas sugerem, discutem e inovam. Elas buscam soluções onde ninguém poderia imaginar.

Comprometer-se com a companhia em tempos difíceis diferencia os fortes dos fracos, os medíocres daqueles que querem sempre mais. Passe para o time dos que são maiores do que os problemas. Você se surpreenderá com o quanto você pode realizar.


Você trabalha num mesmo departamento há muitos anos. Agora, a companhia decidiu reorganizá-lo e sua rotina de trabalho vai mudar sensivelmente. Muitas pessoas reagem de maneira negativa frente a um evento como esse. Mas isso não precisa ser assim. É preciso enxergar além e usar as mudanças em favor próprio.

Num mundo que se altera a cada dia, todos estão cercados por mudanças. Elas ocorrem na economia do país, em casa e também no trabalho. A capacidade de adaptação dos indivíduos a essas mudanças é o que determina a reação deles a elas.

Como um verdadeiro “camaleão”, o profissional de hoje precisa estar preparado e ter maturidade para enfrentar qualquer novidade que possa aparecer. Torcer o nariz ou revoltar-se não contribui em nada para ajudar a inserção no novo cenário.

Encare de forma positiva as mudanças que se apresentarem a você no trabalho. Esforce-se o máximo que puder para adaptar-se o mais rápido possível. Isso só conta pontos a seu favor.


Com a evolução rápida dos meios de comunicação, a internet passou a fazer parte da vida da maioria das pessoas. Nas organizações não foi diferente. Uma parcela grande das empresas se utiliza da internet e das redes internas de comunicação para facilitar o dia a dia.

Mas usar corretamente essa ferramenta valiosa é questão de bom senso.

Muitas companhias tem restringido o acesso a alguns sites de internet a seus colaboradores. Isso decorre do fato de eles abusarem do uso desses sites. Enviar e-mails pessoais, fazer compras ou ficar de bate-papo durante o expediente são os motivos alegados pelas empresas para tomarem tal atitude. É preciso ter consciência de que a internet deve ser usada como acessório para facilitar o trabalho e não como recurso para “matar” o tempo.

Dispersar-se o tempo todo com atividades alheias ao serviço é um comportamento desonesto e inaceitável.

Use com sabedoria a internet em seu ambiente corporativo. Não dê margem para que a companhia pense em limitar ainda mais sua liberdade ao usá-la. É melhor utilizar com equilíbrio para poder utilizar sempre.


Algumas vezes as pessoas esforçam-se para desenvolver ferramentas que melhorem a rotina de trabalho ou deem impulso a projeto, mas esquecem-se de dar feedback justamente aos maiores interessados, ou seja, ao cliente e à empresa. Saiba que isso é um erro, pois pode levar à frustração e à sensação de trabalho perdido no futuro.

Tudo na organização precisa ser feito levando em conta um objetivo final. Os indivíduos podem realizar coisas maravilhosas, mas que infelizmente, não afinam com o que o cliente ou a companhia pretendem. Ao trabalhar em novos procedimentos ou projetos, procure apresentar periodicamente cada etapa concluída a seus superiores e/ou ao cliente. Isso demonstra também seu respeito à opinião deles.

Nunca deixe de saber se está no rumo esperado. Como se diz, “nadar, nadar e depois morrer na praia” é muito desagradável tanto para você como para a empresa.


Algumas pessoas tem o hábito de transformar pequenos contratempos corriqueiros em sua rotina de trabalho em verdadeiras “tragédias”. Uma cadeira deixada fora do lugar, uma folha de papel fora de alinhamento perfeito e tantas outras picuinhas que não fazem diferença nenhuma para ninguém.

Todos devem se esforçar para executar suas funções da melhor maneira possível, mas reagir muito acima do normal a pequenos deslizes seus ou dos colegas o torna uma pessoa indesejável, perante a qual todos tem que estar se policiando para não cometer uma mínima falha sequer.

Não é aquele lápis fora do lugar sobre a mesa que irá compremeter a qualidade final do projeto ou o sucesso daquela venda estratégica.

Dê um tempo a você mesmo e a seus colegas e pare dar às pequenas coisas mais importância do que elas realmente merecem.


É hora do intervalo. Pequenos ou grandes grupos se formam para tomar a direção do refeitório ou dos restaurantes nas proximidades da empresa. Você, no entanto, se dirige silenciosamente àquela mesa lá nos fundos, no ponto mais isolado.

Na rotina diária, você fala o estritamente necessário e ainda assim, apenas coisas referentes ao âmbito profissional. Cuidado! Você está sendo o típico anti-social.

Nenhum ser humano é capaz de viver isolado. Mesmo para satisfazer necessidades mínimas, as pessoas necessitam umas das outras. No ambiente corporativo isso é uma verdade inquestionável. Todos dependem dos demais para poderem executar bem suas atividades.

Além disso, a convivência com outros atenua por vezes o estresse do trabalho, já que sempre surgem pequenos momentos de descontração durante o expediente. O isolamento não agrega nada nem ao trabalho e nem à vida de ninguém.

Esforce-se para manter uma relacionamento minimamente satisfatório com seus colegas de empresa. Mais do que facilitar seu dia a dia no trabalho, você ainda pode estar fazendo grandes amigos.


Na vida de todas as pessoas, há momentos bons e momentos ruins. A diferença está na maneira com que cada um encara esses momentos. Colocar-se no papel de vítima no trabalho não é uma postura saudável e em nada contribui para superar as dificuldades.

Reclamar, lamentar-se, chorar pela própria sorte. Num ambiente de trabalho esses tipos de comportamentos comprometem a produção do próprio indivíduo e muitas vezes daqueles que estão à sua volta.

O clima pesado e desestimulante contamina toda a equipe e torna ainda mais difícil a extenuante rotina que todos precisam enfrentar. Problemas todos tem. A melhor maneira de enfrentá-los é permanecer de cabeça erguida e não ficar se vitimizando.

Deixe o clima de derrotismo de lado. Todos somos capazes de vencer as adversidades; e isso só depende de como se lida com elas.


Num ambiente de trabalho, as pessoas devem estar focadas nas atividades relativas apenas a assuntos profissionais. É claro que a empresa não é um mosteiro, onde a disciplina é quase militar. Mas resolver conflitos pessoais durante o expediente perturba o bom andamento do serviço e causa desconforto aos colegas de trabalho.

Discussões com cônjuge, namorado(a), filhos ou parentes devem ser conduzidas fora do horário de trabalho. Se a pessoa insistir, ligando para o seu celular ou para o telefone da empresa, não atenda ou diga que não está.

Além de interromper suas atividades, esse tipo de incidente depõe contra sua reputação, e o qualifica como uma pessoa que talvez não tenha um controle adequado da própria vida. Cada coisa tem hora e lugar apropriados para ser resolvida.

As pessoas nunca conseguirão separar de maneira absoluta suas vidas pessoal e profissional, mas sempre é uma boa ideia conseguir manter um limite o mais conveniente possível.


No local de trabalho, você encontra pessoas de todos os tipos. Tímidas, extrovertidas, comunicativas, alegres, sérias, sisudas, etc. Pessoas de riso fácil e pessoas que não riem da piada mais engraçada do mundo.

Saber respeitar essas diferenças essenciais entre as pessoas é essencial para manter um ambiente de trabalho harmonioso.

“Forçar a barra” para que pessoas mais reservadas se enquadrem totalmente no ritmo de um departamento mais descolado pode não ser uma boa atitude. Algumas pessoas gostam de ter seu espaço totalmente preservado, o que não significa que elas devam ser isoladas dos demais. É preciso observar as pessoas e saber até onde se pode chegar com brincadeiras, piadas e outros tipos de liberdade. Ninguém é obrigado a proceder como a maioria.

A beleza do ser humano está nas diferenças entre os indivíduos. Respeitar os limites de cada um é fundamental para que as coisas fluam bem, não só no trabalho, mas em qualquer outro lugar.


Em empresas dos mais diversos ramos de atividade, há uma tendência cada vez maior no trabalho desenvolvido através de projetos. Cada projeto representa um novo desafio. Nesse contexto, o trabalho em equipe assume um papel fundamental. Nenhum projeto pode ter sucesso se não tiver uma equipe afinada por trás dele.

Não só no trabalho, mas em outras áreas da vida, o trabalho em grupo facilita muito as coisas. Um grupo em que todos estão conscientes de suas funções e comprometidos em desempenhá-las da melhor forma possível certamente será vencedor seja num projeto ou nas atividades organizadas de uma maneira mais tradicional.

Se a equipe trabalha bem, cada membro dela pode se focar melhor em suas atribuições e não há excesso ou falta de serviço para ninguém.

Seja participando dela ou coordenando uma equipe, se você fizer o máximo para cumprir a sua parte, todos serão beneficiados e você estará desenvolvendo uma das equipes mais valorizadas pelo mercado atual.


Você se defronta com uma reestruturação na empresa. Você vai mudar de cargo. É uma função que você nunca exerceu. Qual sua atitude? Morre de medo, para de dormir à noite e arranca os cabelos? Ou aceita o desafio de cabeça erguida, fazendo de tudo para se adaptar rapidamente?

A mudança faz parte da vida. E para ser vencedor é preciso estar preparado para mudar. O mercado de trabalho valoriza os fortes e os vencedores. Os fracos e derrotados são colocados de lado. Forte é quem aceita os desafios sem esmorecer. Vencedor é quem tem uma atitude positiva mesmo no momento mais negativo.

Seja um vencedor e um forte na tempestade ou na bonança. Encare as lutas de frente. Só vence quem dá a cara pra bater. Porque o sucesso só sorri para aqueles que lutam até o fim.


Seu horário de trabalho é de 8 h por dia. Mas ultimamente você nunca trabalha menos de 10 h. São tarefas e mais tarefas despejadas sobre você. No fim da semana você está tão cansado que só quer saber de dormir no sábado e domingo. Saiba que essa é uma situação anormal que você deve enfrentar com firmeza.

O limite máximo de jornada de trabalho não foi estabelecido à toa. No início do século XX as pessoas trabalhavam mais de 16 h por dia e não tinham nenhum direito trabalhista. Isso gerava um caos social e a expectativa de vida dos operários era baixa. Depois chegou-se à conclusão de que era preciso estabelecer um limite máximo de tempo para o trabalho. Criaram-se mais turnos e assim o mercado se ajustou. Mas nos últimos tempos, algumas empresas parecem estar na contra-mão da história e passaram a escravizar novamente seus colaboradores.

Essa situação é inaceitável. Ninguém deve fazer corpo mole para o trabalho. Mas também não é preciso se sujeitar a voltar ao tempo das “senzalas” por medo de perder o emprego.


Seu chefe é daqueles que é acomodado. As decisões são lentas, os processos estão engessados, a comunicação com a alta administração da empresa é ineficiente. Pode ser a hora de a alta cúpula pensar em uma substituição.

Um chefe despreparado e sem iniciativa prejudica o trabalho de um setor ou mesmo da empresa toda. A equipe fica sem liderança, desmotivada e não produz.

Um bom chefe além de bom administrador de processos, precisa ser um líder. Ele tem que ser capaz de coordenar os colaboradores de maneira tal que eles se sintam satisfeitos em executar tudo o que é pedido.

Não tenha medo de trocar as chefias em sua empresa. Um mudança feita na hora certa pode significar um salto enorme de qualidade e produtividade.


Seu colega é uma pessoa extremamente perfeccionista. Não deixa passar um resquício de erro no próprio trabalho e no dos demais. Está sempre apontando falhas irrelevantes.

Esse tipo de atitude não ajuda nem a ele, nem à empresa; pelo contrário, só tende a atrapalhar.

O mundo não é perfeito e as empresas também não. Viver atrás de picuinhas pode acabar desviando o foco das coisas que são realmente importantes e com as quais vale a pena se preocupar.

Não se trata de fazer tudo com desleixo, mas de saber que somos todos falíveis. Pequenos erros existiram, existem e sempre vão existir. O importante é mantê-los dentro de limites aceitáveis e não viver como escravo das minúcias.


Sua empresa possui muitas filiais. Elas podem estar próximas umas das outras ou espalhadas em uma grande área, mas o problema é sempre o mesmo: falta de integração ou colaboração entre a matriz e as subsidiárias.

Uma empresa começa a abrir filiais pela necessidade de se expandir no mercado. Este projeto precisa ser muito bem planejado e executado.

Garantir uma afinidade constante entre a matriz e as filiais muitas vezes garante o sucesso da expansão. Esteja sempre pronto a colaborar com seus colegas da matriz, assim como esteja disposto também a cooperar com eles.

Vocês não conseguirão viver uns sem os outros, portanto tratem de formar uma equipe e comecem a trabalhar juntos pelo bem de todos.


Você e seu colega trabalham numa mesma função, mas em turnos diferentes. Suas atividades dependem diretamente das dele e vice-versa. No entanto, você tem problemas constantes pois nunca está a par do que ele fez, faz ou ainda irá fazer. Talvez vocês estejam enfrentando um problema de comunicação.

A comunicação humana é algo extradionário em qualquer lugar. Dentro da empresa não é diferente. Instruções claras e objetivas, passadas de forma correta são capazes de evitar transtornos desnecessários.

Se o seu trabalho está intimamente ligado ao de outras pessoas é fundamental que o canal de comunicação entre vocês seja o mais aberto possível. Todos devem estar cientes do está acontecendo o tempo todo.

Uma comunicação eficaz facilita a vida de todos e torna a rotina diária de trabalho muito mais tranquila e eficiente.


Seu trabalho é daqueles que exige que você trabalhe o dia todo em pé ou sentado? Horas a fio parado na mesma posição ou realizando movimentos repetitivos? Se esse é o seu caso, comece a prestar atenção, pois sua saúde pode estar sendo prejudicada.

No passado, a saúde ocupacional era um tema negligenciado tanto por patrões como por empregados. Mas com o passar dos anos, e com o surgimento de inúmeros casos de doenças provenientes de atividades produtivas, muitos começaram a se preocupar. Colaboradores afastados por doenças ocupacionais geram prejuízos às empresas e a si mesmos.

Se sua empresa não tem um programa de saúde ocupacional, informe-se por conta própria sobre medidas preventivas como ginástica laboral e exercícios nos intervalos da jornada. Fazendo isso você só terá a ganhar.


Surge um problema no trabalho que precisa ser resolvido. As reações frente a esta situação são diversas: uns fingem que não veem, outros se omitem, mas alguns arregaçam as mangas e começam a buscar soluções. Estes últimos têm uma qualidade extremamente valorizada hoje no mercado: a pró-atividade.

O indivíduo pró-ativo é aquele que não fica esperando as coisas acontecerem: ele faz com que elas acontençam. Ele sempre está disposto a inovar e propor soluções. Sugere, questiona, involve-se. Problemas para ele são desafios a serem vencidos. Dessa forma, ele realiza e induz outros a realizarem.

Se você está acomodado em seu emprego, saia dessa inércia. Você verá que sendo mais pró-ativo irá chamar as atenções para você e quem sabe ser mais bem sucedido.


É sempre a mesma coisa: seu colega chega e se pendura no telefone a manhã toda. Você percebe que não são assuntos de trabalho e sim pessoais ou até mesmo meras futilidades. Ele é um exemplo a seguir? Obviamente que não.

O patrimônio e os bens da empresa pertencem a ela e a mais ninguém. Cada empresa tem regras internas para o uso do seu patrimônio e dos equipamentos pelos colaboradores.

Evite usar o telefone para assuntos pessoais, fazer “freelances” no horário de expediente ou se aproveitar de coisas dentro da empresa para resolver seus problemas.

Quem age assim é mal visto e pode vir a ter aborrecimentos no futuro. Tenha bom senso! A empresa não foi feita para você usufruir dela sem controle, e sim para que você e ela possam ganhar juntos.


Aquele relatório excepcional chegou às mãos do seu chefe. Você ajudou em cada detalhe que está escrito lá, mas foi seu colega que assinou o trabalho. O que você faz? Fica na sua ou diz ao chefe que você participou ativamente e também merece os créditos por isso?

Trabalhos feitos em equipe são sempre uma soma de forças. Se todos os componentes da equipe são comprometidos, nada mais justo que os créditos dos trabalhos realizados sejam atribuídos a todos, sem distinção.

O que não é justo, é você querer levar a “fama” sem ter feito nada. Mas se você suou a camisa e se empenhou, cobre a presença do seu nome no resultado final.

Valorize a sua participação nos trabalhos de equipe, isso fará bem a você e também será um exemplo para seus colegas.


Você chega à empresa e a copeira está entrando junto com você. Qual sua atitude? Vira a cara e faz ar de superior ou a cumprimenta gentilmente como se ela fosse qualquer outra pessoa? Se sua resposta for a primeira opção, você precisa começar a olhar não só para cima no trabalho.

Em qualquer organização, o relacionamento humano e o tratamento entre as pessoas devem ser igualitários. Não é porque você é um de setor com pessoas mais qualificadas que vai poder desprezar as pessoas da limpeza e manutenção, por exemplo.

Nem se restringir a cumprimentar e bajular aqueles em posições hierárquicas superiores a você. Tomadas como seres humanos as pessoas são todas iguais e merecem sempre o mesmo respeito e consideração, independente do cargo que ocupam.

Se você não age assim, comece a tratar todas as pessoas do trabalho da mesma forma. Você vai ver quantas pessoas maravilhosas existem por lá, e em todos os setores.


Você chega em casa e seus filhos tremem. Todos perfilados e preparados para a inspeção diária: banho tomado, unhas cortadas, tarefa de casa impecavelmente feita. Não há diálogo, só “manda e obedece”. Se isso ocorre com você e você tem subordinados no trabalho, saiba que pode acabar virando um tirano na empresa também.

Pessoas mandonas em casa fatalmente terminam como “generais” no trabalho. Despejam ordens o tempo todo, não explicam o porquê delas e cobram implacavelmente o que pediram a cada momento.

O domínio pelo medo é o pior dos mundos. Ele faz seus colaboradores te odiarem e se eles o respeitam é por temor, não pelo exemplo.

Comece a rever suas posições em casa em relação aos seus filhos e com certeza você vai descobrir que pode ser um chefe melhor também.


É fim de tarde, seu colega lhe pede ajuda para uma tarefa difícil: o que você faz? Dá uma desculpa esfarrapada ou ajuda gentilmente? A resposta a essa pergunta define se você é um servidor ou não no seu ambiente de trabalho.

Servir é um dos atos que mais pode trazer bem ao ser humano. Em casa, no trabalho, na rua, na igreja, em qualquer lugar, ajudar ao semelhante funciona como um bálsamo num mundo tão competitivo e complicado como o nosso.

No local de trabalho, ajudar aos outros demonstra o quanto você se importa com eles e pode refletir em benefícios para você no futuro.

Não que você tenha que esperar retribuição quando auxilia alguém, mas essa contra-partida tem grandes chances de ocorrer.

Sendo assim, ajude seus colegas. O mínimo que você irá ganhar é a sensação de dever cumprido ao final de cada dia.


É isso mesmo, você entendeu certo! O trabalho na própria residência das pessoas é um fenômeno que aumenta a cada dia no mundo.

Num mundo de trânsito, correria e dezenas de afazeres, muitas pessoas e empresas estão optando pelo trabalho no próprio domícilio. É um tipo de trabalho como qualquer outro, mas que traz vantagens para empresas e trabalhadores. A empresa ganha em produtividade porque o colaborador trabalha mais relaxado.

O colaborador ganha em qualidade de vida, pois exerce suas atividades no conforto do lar, sem ter que enfrentar engarrafamentos, alimentação desregrada, afastamento dos filhos.

Mas para trabalhar em casa, é preciso também manter uma rotina disciplinada, pois os resultados precisam ser os mesmos ou ainda melhores do que aqueles obtidos na modalidade convencional.

Trabalhar em casa pode ser uma experiência fascinante, então corra atrás das oportunidades e quem sabe logo logo você poderá passar o dia de pijama e chinelos…


Pode até parecer um clichê mas o trabalho em equipe foi, é e sempre será valorizado em toda empresa moderna. Mais do que uma qualidade, saber trabalhar em equipe tornou-se uma necessidade na conjuntura atual.

Equipes bem coordenadas e com sintonia entre os membros produzem mais. Cada componente manifesta plenamente suas potencialidades e supre as eventuais deficiências de outros membros.

As tarefas ou os projetos são melhor executados e com isso, ganham os indivíduos e a empresa ao mesmo tempo.

Coopere, seja pró-ativo, oriente, estenda a mão. Um grupo bem afinado torna o trabalho mais fácil e mais prazeroso, além de abrir a possibilidade de fazer sugir excelentes amizades.


Nestes tempos de mundo globalizado, não é nada bom perder tempo no trabalho. 

Uma das causas-chave do tempo desperdiçado no ambiente de trabalho é não saber definir prioridades. Organizar as tarefas por ordem de importância e prazo é uma boa pedida. 

Comece seu dia fazendo uma lista de tarefas em ordem de importância, assim você terá uma visão global de tudo o que você tem a fazer e o que é mais importante. 

Se você é de um setor no qual prazos são fundamentais, planeje tudo de uma maneira que torne fácil o acompanhamento das datas-limite. Não adianta fazer um trabalho com ótima qualidade se ele for entregue muito fora do prazo pré-estabelecido. 

Para aqueles que trabalham por projetos e não em rotinas fechadas, a priorização é essencial. Se você é líder de equipe, mantenha controles eficientes do andamento dos projetos. Gráficos, quadros, planilhas… 

Abuse das facilidades que a tecnologia moderna oferece para organizar seu trabalho e aumentar sua sensação de controle sobre o que você faz.


Você trabalha em casa? Conhece alguém que optou pelo home office? Você sabe quais as vantagens e desvantagens de se trabalhar em casa?

Quase cinco milhões de brasileiros trabalham em casa atualmente. Você é o seu chefe, e você determina quando começará a trabalhar e quando vai parar. Como você está distante de hierarquias, às vezes é difícil de definir essas particularidades. Então planeje-se!

Se quiser montar seu negócio em casa, faça isso em um ambiente que você goste muito e que se sinta bem.

É necessária muita organização e tranquilidade… Os resultados são visíveis… Diminui-se o stress, ganha-se tempo, aumenta-se a produtividade e também a qualidade de vida.


No programa “Mais Você”, da Rede Globo, da segunda-feira, dia 26 de Janeiro de 2009, passou uma matéria interessante sobre o convívio de casais no mesmo ambiente de trabalho, seja pela mesma profissão, ou por estarem em uma mesma empresa.

A matéria abaixo retrata uma história de um casal de bombeiros, em que ambos são tenentes, uma história de um técnico e uma jogadora de futebol de campo, e outros casos onde isso ocorre.

Afinal, é bom ou ruim trabalhar com seu companheiro?





CONTINUE NAVEGANDO: