Dicas de como mudar as atitudades e pensamentos e superar a infelicidade e a depressão

A infelicidade é um mal que pode aparecer em qualquer área da vida humana. Isso acontece porque as pessoas tendem a formular representações sociais para vivê-las. É realmente desanimador ter que acreditar que a cada dia existem pessoas dependendo de antidepressivos e de ansiolíticos para sobreviver e tentar levar uma vida equilibrada.

Por um lado, elas cuidam excessivamente da saúde com medicamentos e alimentos saudáveis, mas por outro, se acabam no desespero e se entregam a medicamentos tarja preta por causa de sintomas psicossomáticos como consumismo exagerado, ansiedade, depressão, vícios por cigarros, doces e até mesmo pelos próprios medicamentos, ou seja, usam tudo isso como uma válvula de escape, uma fuga. Falando desse assunto, vale lembrar, por exemplo, que uma pessoa que fuma constantemente mais de um maço de cigarros por dia está condenada a morrer mais rápido do que aquelas que mesmo sofrendo de mazelas psíquicas, não se medicam ou cuidam da saúde.

Qualquer tentativa de fugir da realidade utilizando métodos invasivos como drogas, por exemplo, pode demonstrar carência, ou a busca incessante de calar os gritos de sua consciência para algo diferente e que não te julgue. São, geralmente, gritos da alma. A única diferença entre um grande empresário viciado em vinhos e um usuário de crack morador de rua é o dinheiro para comprar ambas as distrações, pois os dois se sentem vazio por não conseguirem manifestar suas emoções da forma que queria.

Se você também está numa fase onde não consegue experimentar uma sensação de plenitude em sua vida, então é hora de reavaliar o que você está fazendo e começar a promover a mudança. Você pode começar mudando a forma de refletir sobre as coisas da vida e de agir com as pessoas. Sinta-se como se você compartilhasse sua vida com outras pessoas que contribuem com o seu bem-estar, que logo as coisas fluirão para você. Lembre-se de que se a mudança não for de dentro pra fora, não será mudança, e sim influências vindas de fora. Logo, tudo só depende de você.

Por Daniela Almeida da Silva

Outros Conteúdos Interessantes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *