Principais razões para o brasileiro mudar de emprego



A PageGroup, empresa especializada no setor de recrutamento de pessoas, divulgou recentemente os resultados obtidos por meio de uma pesquisa realizada pela mesma. De acordo com os dados que foram levantados cerca de 92% dos profissionais dos mais variados níveis hierárquicos pretendem não se manter parados no mesmo lugar no mercado de trabalho pelos próximos dois anos.

Um detalhe interessante de se observar é que o fato de “não parar em emprego algum” de certa maneira está mais relacionada a jovens em início de sua jornada no mercado de trabalho. Porém, esse aspecto não está restringindo apenas a eles.



De acordo com Sérgio Sabino, o diretor de marketing da PageGroup, em matéria para a Infomoney, a vontade de querer mudar de emprego também é encontrada em profissionais que já contam com mais de dez anos de experiência profissional no mercado.

Ao que tudo indica a experiência ou ainda o tempo em que o profissional já se encontra no mercado de trabalho não tem representado para uma boa parte deles um obstáculo para que novos desafios e a busca por um aprendizado contínuo possam ser iniciados.

Outro detalhe que Sabino aponta, é que para este nível de profissionais também há uma busca mais forte na questão do nível profissional. Talvez estejam se espelhando em parte nos jovens com menos de 30 que são profissionais de sucesso no mercado.



De acordo com as informações apresentadas na pesquisa, que levou em consideração a opinião de 800 profissionais e foi realizada no mês de maio deste ano, essa rotatividade encontrada no mercado se fundamenta em especial na falta de oportunidade, no desejo de poder trabalhar em empresas maiores e um salário que não é compatível com o mercado ou ainda com as necessidades profissionais do individuo.

Conforme o estudo da PageGroup quem tem menos de dez anos no mercado troca de emprego principalmente pela falta da oportunidade de crescimento, um percentual de 22%.

No caso de quem já tem mais de dez anos de vida profissional o motivo é o mesmo, mas o percentual é maior sendo de 27%.

Por Denisson Soares



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *