Em uma organização, espera-se que cada colaborador cumpra seu papel e gere resultados práticos. Mas essas pessoas não podem corresponder às expectativas se não estiverem cientes daquilo que se espera delas. Uma definição clara de responsabilidades e de metas individuais torna essa situação muito mais clara.

O ditado “para bom entendedor, meia palavra basta” não corresponde à realidade das relações humanas em uma empresa. Os indivíduos sempre precisam de princípios que norteiem sua conduta e seu trabalho. Não é razoável esperar que metas sejam atingidas, se os funcionários não tem noção de onde a companhia quer chegar e de quais os passos para isso. Reuniões periódicas para discussão do andamento das atividades ajudam muito a solucionar dúvidas e ajustar rotas.

Seja explícito a respeito de tudo o que você espera dos colegas que trabalham com você. Não espere que eles “sintam no ar” o que precisa ser feito ou você pode ficar aguardando mais tempo do que desejaria.

No mundo do trabalho, a reputação de um colaborador é como se fosse seu cartão de visitas. Essa espécie de “diário” profissional conta muita coisa sobre seu modo de agir, pensar e muitas vezes é levada em conta em decisões como uma promoção a um cargo de nível mais alto. Assim, mantê-la inatacável sempre é uma atitude sensata.

O mundo de hoje está repleto de pessoas desonestas, trapaceiras, com falta de princípios. Numa completa inversão de valores, muitos indivíduos perderam a noção do limite entre o certo e o errado, entre o ético e o anti-ético. Quem ainda se mantém íntegro e com uma conduta correta, acaba tendo um diferencial competitivo em relação aos demais. E não é muito difícil ter a imagem arranhada por um pequeno deslize.

As pessoas são lentas para enxergar o que se faz de bom e rápidas para ver o que se faz de mau.

Construa uma reputação de que você possa se orgulhar dentro da empresa e faça o máximo para conservá-la. Isso sempre vale a pena não só de ponto de vista profissional, como também para ter uma consciência sempre limpa.