Com a rotina frenética de trabalho, muitas pessoas acabam se descuidando de um item muito importante: a alimentação. Com o advento do “fast food”, as pessoas optam por consumirem comidas rápidas e práticas. Mas isso pode levar a consequências sérias no futuro.

Alimentar-se de maneira correta também durante o expediente é fundamental para manter o pique e produzir bem.

Aproveitar os horários de intervalo para isso é essencial. Procure consumir alimentos saudáveis e sempre faça uma pausa para comer. Devorar sanduíches gordurosos em frente ao computador prejudica sua digestão, pode causar futuras gastrites, além de problemas a longo prazo, como as doenças cardiovasculares. Hidratar-se é uma outra dica. Se você não pode levantar para buscar água no bebedouro, acostume-se a manter uma garrafinha sobre sua mesa.

Não abuse muito do café. Ele também traz malefícios com o passar do tempo.

Alimente-se de forma adequada durante o expediente. Isso só trará benefícios para você a curto e a longo prazo.

Certas atividades profissionais podem envolver movimentos repetitivos ou exigir que os indivíduos mantenham uma mesma posição por tempo prolongado.

Nesses casos, as empresas são obrigadas por lei a fornecer orientações de saúde ocupacional aos colaboradores. E seguir essas orientações pode ser a diferença entre saúde e doença no médio e longo prazos.

As principais consequências de não se observar as orientações de saúde ocupacional são o aparecimento de doenças crônicas como LER (lesão por esforço repetitivo), problemas de coluna (cervical, dorsal, lombar), dores crônicas nas pernas, aparecimento e agravamento de varizes, etc. Os alongamentos e a ginástica laboral ensinados na empresa devem ser executados de maneira correta, pois caso contrário, o maior prejudicado será você mesmo.

Pense bem: não é preferível dedicar alguns momentos hoje para garantir a própria saúde no futuro?

Todo profissional traz dentro de si o desejo de progredir na carreira. Esse progresso depende de vários fatores, mas principalmente do próprio indivíduo. Uma carreira bem planejada e gerida de maneira inteligente traz uma possibilidade maior de ascenção. É preciso, muitas vezes, ousar e tomar decisões na hora certa.

Em muitas empresas, os profissionais são reconhecidos pelo seu desempenho e recebem promoções de cargo e reconhecimento salarial. Já em outras, por mais que as pessoas se esforcem, elas permanecem na mesma posição, ou por falta de visão da empresa ou porque a estrutura dela não permite um crescimento além do ponto já atingido.

Em ambas as situações, o profissional que tem as rédeas da própria carreira é capaz de perceber seu próprio valor e planejar uma mudança de emprego que lhe proporcione a evolução e a satisfação pessoal que ele merece.

Mantenha-se atualizado, envie currículos, fique atento às oportunidades que o mercado coloca à disposição. Quase sempre, essa estagnação de que você tanto reclama pode acabar mais rápido do que você imagina. Então, faça sua parte e torne-se visível no mercado.

“Eu era feliz e não sabia…”

Você já viu essa frase antes… na verdade já deve tê-la dito inúmeras vezes! Eu a disse 2 vezes em uma semana, e veja só, como o cenário altera o sentido das coisas!

Numa tarde da semana passada, depois de ter almoçado aquela comidinha mais-ou-menos do refeitório da empresa, lá pelas 3 da tarde com a mesa abarrotada de serviço, telefone tocando, chefe chamando, me flagrei olhando pela janela, e no auge da minha TPM pensei: poxa… toda uma vida lá fora e eu aqui…

Bufei, fiz o que tinha para fazer, meia-boca devo confessar, e fui empurrando a semana com a barriga.

Segunda-feira acordei esquisita, dor no corpo, dor de cabeça, muita tosse, peito dolorido. No meio da tarde meu chefe me manda para casa pois eu tinha piorado substancialmente.

Terça-feira acordo com febre, não consigo sair da cama. Me arrasto e consigo ir ao médico que diagnostica princípio de pneumonia. Resultado: 4 dias em casa, antibióticos, cama, febre, botando os pulmões pela boca. Prometo que dessa vez eu páro de fumar!

Quarta-feira, febre, uma verdadeira maria-das-dores. Médico. Injeção. Chuva. Frio. Sessão da tarde. Ops esqueci o horário do antibiótico. Acabou o paracetamol… Farmácia. Moleza (ou fraqueza)? Hum… não tem comida pronta. Miojo.

Quinta-feira, febre, afônica de tanto tossir, verde de fome, geladeira… nada. Tv … nada. Miojo. Olho lá fora e vejo um dia lindo e penso: poxa… toda uma vida lá fora e eu aqui!

Levo um susto! Um choque! Ligo para o médico:

Sim tenho certeza doutor, estou excelente, a tosse diminuiu muuuuito! Dor? Nada!! Sim claro, antibióticos tomados com pontualidade britânica! Não, minha voz é assim mesma, é impressão sua, não estou rouca!! Afônica? Imagina, impressão! Claro, volto semana que vem para repetir os exames e raio X do pulmão! Posso então doutor? Ótimo! Vou pedir a um moto-boy para ir aí trocar o atestado!

Ligo para meu chefe, informo que amanhã estou voltando! Melhora instantanea! Atestado para 10 dias? Que atestado? Não, o médico disse que já estou ótima!

O que? …

Que foi? …

Eu tô o que? …

Fica você em casa doente e sozinha por 4 dias, vendo filme de 20 anos atrás ou reprise de novela, fazendo sua própria comida (miojo e vono né?) conversando com os cachorros, olhando pras paredes e depois venha me dizer que trabalhar fora é ruim! Eu hein!

Márcia Losovoi
Comentarista do Site
Dodói, mas Feliz e faceira!!!

Dentro de duas semanas você terá a exposição anual de resultados. Você está muito estressado. São gráficos, planilhas e relatórios intermináveis para fazer. O tempo parece passar sempre mais rápido do que você gostaria. Uma boa solução é tentar viver um dia de cada vez.

Não só no trabalho, mas em outros setores de nossas vidas, muitas vezes temos a tendência de querer antecipar o futuro. Essa tendência gera ansiedade, preocupações, estresse.

Se temos tarefas a cumprir e prazos a serem seguidos, é bom se planejar para executar tudo que precisamos, mas sempre focando um dia de cada vez. Uma caminhada é composta de muitos passos e se tentarmos dar passos mais longos que nossas pernas, certamente iremos tropeçar e cair.

Há 2000 anos, alguém muito sábio disse: “A cada dia basta o seu mal”.  Vamos procurar viver no ritmo certo para não sermos atropelados por um futuro que ainda nem chegou.

Todo dia é a mesma coisa. Você chega em casa, tira os sapatos e se joga em sua poltrona preferida. Quando sua esposa vem lhe perguntar sobre o seu dia, você se desmancha em reclamações e só fala de trabalho. Seu filho lhe pede ajuda com a lição de casa e você o repreende, dizendo que está cansado. Saiba que sua qualidade de vida pode estar comprometida.

A família é a base de nossa sociedade. É nosso porto seguro. Nela nascemos, crescemos e morremos. Passam empregos, situações, amigos. Mas a família está sempre lá, de braços abertos para nos acolher. Nosso trabalho não deve ser mais importante que a família. De que adianta sermos ótimos profissionais, com salários excelentes, se não podemos ver nossos filhos crescerem?

O trabalho não pode dominar nosso lar. Nosso lar é um lugar sagrado de amor e harmonia. E é assim que ele deve permanecer durante a maior parte do tempo.

Sua empresa tem um programa consistente de benefícios: vale-refeição, vale-transporte, plano de saúde, subsídios para aperfeiçoamento. Você pode pensar que isso representa apenas descontos em seu salário, mas esses benefícios muitas vezes valem mais que dinheiro.

Os benefícios proporcionados pelas organizações representam mais qualidade de vida para os colaboradores. Muitas vezes um vale-refeição ou um plano de saúde pode ser muito melhor do que o correspondente ao desconto em dinheiro no salário. Se o trabalhador fosse buscar esses serviços e vantagens por conta própria, talvez gastasse muito mais.

Valorize os benefícios que sua empresa proporciona a você. Eles com certeza tornam sua vida mais fácil.

Seu trabalho é daqueles que exige que você trabalhe o dia todo em pé ou sentado? Horas a fio parado na mesma posição ou realizando movimentos repetitivos? Se esse é o seu caso, comece a prestar atenção, pois sua saúde pode estar sendo prejudicada.

No passado, a saúde ocupacional era um tema negligenciado tanto por patrões como por empregados. Mas com o passar dos anos, e com o surgimento de inúmeros casos de doenças provenientes de atividades produtivas, muitos começaram a se preocupar. Colaboradores afastados por doenças ocupacionais geram prejuízos às empresas e a si mesmos.

Se sua empresa não tem um programa de saúde ocupacional, informe-se por conta própria sobre medidas preventivas como ginástica laboral e exercícios nos intervalos da jornada. Fazendo isso você só terá a ganhar.

Você é daquelas pessoas que está “plugada” 24 h por dia. Sai do trabalho e vai comentando com seu colega sobre tudo que fez durante o dia. Chega em casa e repete tudo para sua esposa. Você vai dormir e sonha com trabalho. Cuidado! A vida não é só trabalho.

O trabalho é parte fundamental da vida do ser humano. Dele obtemos nosso sustento para atender a nossas necessidades básicas de sobrevivência e também suprimos a ânsia que temos de ser úteis e importantes perante aqueles que nos cercam. Mas o trabalho não deve representar 100% de nossas vidas. Aliado a ele precisamos de vida familiar, social, diversão, descanso. 

É primordial conseguir se desligar do trabalho quando se está fora dele. Do contrário, nossa vida se torna uma mesmice e uma hora podemos olhar para trás e ver que só temos a lamentar o que deixamos de fazer ou viver pela preocupação excessiva com o trabalho.