Está aí uma questão complicada no mundo corporativo: promessas não cumpridas. Um projeto não entregue no prazo, um produto ou serviço que chega com atraso, uma tarefa que precisa de prazo extra para ser cumprida. Isso acontece, muitas vezes, porque as pessoas são displicentes ou “querem dar o passo maior do que a perna”.

Antes de prometer qualquer coisa a alguém, é preciso se certificar de que você dispõe do tempo e dos meios para cumprir com sua palavra no prazo.

É essencial também não subestimar a rapidez com que o tempo passa e ter um planejamento de execução das etapas ou atividades. Se por acaso ocorrerem imprevistos, é fundamental comunicar com o máximo de antecedência que a promessa não poderá ser cumprida. Isso atenua os efeitos negativos da frustração da expectativa.

Habitue-se a prometer só aquilo que realmente você pode cumprir. Seja realista ao se comprometer com as pessoas e mantenha sempre sua credibilidade.

Você prometeu entregar aquele relatório no último dia do mês, mas não conseguiu por falta de planejamento. Você garantiu que o cliente receberia a mercadoria no prazo e ela atrasou. Acho está precisando se lembrar daquele velho ditado: “Promessa é dívida!”

Promessas sempre geram expectativas grandes nas pessoas. Quem ouve uma promessa está mentalmente condicionado a esperar que ela será cumprida. Se isso não ocorre a frustração é grande.

Além muitos planos são feitos baseados em promessas, o que é pior ainda, se elas não forem cumpridas. No trabalho cumprir promessas é sinal de confiabilidade. É dizer à empresa que ela pode contar com você.

Não prometa o que você não pode cumprir. Ficar só na promessa não leva ninguém a lugar nenhum.