Sabe por que temos tantos problemas? Pela simples razão de estarmos vivos. Portanto, se você está passando por um problema muito grande em sua vida, considere-se igual a todos, pois você não é pior e nem melhor que ninguém. Acredite nisso. Se pararmos para pensar, toda vez que temos um problema sempre pensamos que ele é maior que qualquer outro que já tivemos, e isso é uma visão totalmente equivocada, e sabe por quê? Porque temos a capacidade de nos sentirmos superiores e de termos muita pressa para resolver nossos problemas.

Ora, mas se a pressa é inimiga da perfeição, então por que temos que viver na angústia dela? Simplesmente pelo fato de querermos que tudo se resolva da forma e no mesmo tempo que queremos. Não fomos acostumados a prestar atenção nos detalhes, a esperar que as coisas se resolvam com calma. E esse, com certeza, também é um outro problema. Saiba, antes de mais nada, que viver nada mais é do que enfrentar desafios e fazer deles suas lições de vida a cada dia, pois o objetivo de toda existência é o aprendizado que ela nos proporciona.

As dificuldades da vida são matérias que temos que aprender, assim como na escola. Por isso, mantenha sua cabeça sempre aberta para novos horizontes e tranquila para você aproveitar cada momento de seu aprendizado e "passar de ano". Lembre-se de que se você não aprender a lição, a vida se encarrega de trazer de volta os mesmos problemas, e isso significa ter que passar pela mesma maré até você aprender a evoluir e passar dessa fase. E, em cada fase os problemas parecem ter o seu próprio tamanho, mas a complexidade deles quem dá somos nós, pois os calculamos de acordo com nossos aprendizados, crenças e valores adquiridos ao longo da vida.

Enfim, vale a pena ressaltar que a solução para qualquer problema, independente do tipo e razão, encontra-se sempre dentro de você mesmo, e lá no seu íntimo. No fundo, sempre sabemos como dar a volta por cima.

Por Daniela Almeida da Silva

O mercado está carente de profissionais capacitados no segmento de comércio eletrônico. Esse é o veredicto de Luiz Dias, gerente de e-commerce da Connect Parts, em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo, de 25 de março de 2012. Ele continua, alertando que quem está à procura de emprego deve prestar mais atenção nesse segmento.

Uma pesquisa realizada pela Webshoppers, empresa de inteligência em comércio eletrônico, confirma esse alerta: de acordo com tal estudo, 64% das empresas contrataram profissionais nesse segmento nos últimos 6 meses.

Ainda de acordo com a reportagem, há oportunidades para as áreas mais variadas, sobretudo marketing, design e advogados.

Os salários são atrativos. Na tabela divulgada pelo Estado de São Paulo, 19% ganham entre R$ 5 mil e R$ 8 mil. 7% ganham entre R$ 8 mil e R$ 12 mil. Por fim, 8% ganham acima de R$ 12 mil.

Mas o diretor da empresa de recrutamento da Desix, André Assef, disse que o profissional deve fazer um curso técnico e, ainda, buscar formação universitária e/ou especialização. Ainda nesse sentido, o gerente de e-commerce da Connect Parts, Luiz Dias, complementou: também é fundamental ler literatura especializada no assunto, acompanhar palestras, cursos extras etc.

Por Christiane Suplicy Curioni

A disposição cada vez mais evidente das ofertas de emprego no país tem apresentado duas faces: oportunidades para a população brasileira e aumento da concorrência da mão de obra nacional contra ela própria ou contra a estrangeira. Muitas empresas têm procurado solucionar a falta de qualificação interna ao buscar profissionais de outras nações.

Essas duas faces geram inúmeras problemáticas. Falta de oportunidade aos brasileiros, tornando a diminuição contínua do desemprego mais lenta, e problemas de desenvolvimento e inovação da indústria nacional. Dados divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego revelaram que entre janeiro e setembro do ano passado 39 mil vistos de trabalho foram cedidos, praticamente o resultado total de 2009.

Apesar desse aumento, segmentos como o de construção e indústria necessitam de ao menos 60 mil engenheiros disponíveis por ano, entretanto só conta com 32 mil cidadãos brasileiros formados.

Matéria veiculada pela Folha UOL revela que os estrangeiros possuem dificuldades de interpretação da lei, que dá ou não aval para atuarem por aqui, e que acabam obstruindo o ingresso de bons profissionais. Um dos grandes entraves é a explanação de substituição da mão de obra tupiniquim pela de outro país.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Todo e qualquer tipo de discriminação seja ele por motivo de raça, cor, religião, posição política ou social deveria ser banido de todos os ambientes onde os seres humanos convivem. No trabalho, o preconceito afasta pessoas, dificulta o contato profissional e “contamina” a empresa.

Segregar colegas simplesmente porque eles são diferentes em algum aspecto é um comportamento que demonstra extrema intolerância. Cada um tem o direito de viver à sua maneira, se essa maneira estiver dentro das leis que regem a sociedade. Discriminar, especialmente numa empresa, que é um local onde as pessoas precisam trabalhar em equipe, só traz prejuízos a todos os envolvidos.

Seja consciente e tire proveito da coexistência entre as diferenças no ambiente corporativo. A diversidade só tem a contribuir para tornar a empresa mais forte e melhor.

Seu colega cometeu um deslize no trabalho. O fato é que não é a primeira vez e ele é mal visto desde então. Desse modo, ele lhe pede para assumir o erro ou dividir a responsabilidade com você.

Mas será honesto ou ético “assumir a bronca” de alguém?

Todo ser humano adulto precisa estar consciente de seus direitos e deveres. E quando esses deveres são negligenciados e falhas são cometidas, é preciso estar preparado para suportar as consequências. Tomar para si o peso do erro de outra pessoa para ajudá-la só terá efeitos prejudiciais, pois irá incentivá-la a continuar não arcando com a responsabilidade de seus atos.

Só responda frente à empresa pelos seus próprios atos. Não tente defender os outros de enrascadas dividindo culpas, pois isso só torna as coisas piores para ambas as partes envolvidas.

Em toda organização acontecem incidentes dos quais ninguém gosta de se lembrar. Clientes perdidos, problemas entre funcionários, contratos não fechados. Alguns aprendem com os acontecimentos e se voltam para futuro. Já outros, insistem em ficar revivendo as experiências negativas.

Prender-se a um passado que não pode ser alterado não ajuda a se desenvolver profissionalmente. É preciso tirar lições do que não deu certo e usá-las para se aperfeiçoar sempre. Assumir os erros é importante, mas passado o período de avaliação das consequências deles, a atitude mais inteligente é esquecer e ir adiante. Não há mais espaço hoje em dia para ficar perdendo tempo com o que já se foi.

Pare de resgatar o passado. Quem vive de passado é museu.

Use a experiência que você adquiriu com ele e construa um futuro de oportunidades.

Nenhum de nós está livre de cometer falhas. E com certeza também é preciso estar preparado para assumir a responsabilidade por elas. Mas há uma maneira politicamente correta de chamar a atenção de alguém, sem transformar isso em algo desmoralizador ou humilhante.

O ser humano não é perfeito. Ele está o tempo todo errando e acertando. Em uma organização, quando se comete um deslize, é parte do bom senso conversar com o responsável por ele de maneira separada e reservada. Os demais não precisam ficar sabendo. É preciso também deixar a pessoa resgatar sua própria reputação, dando a ela a oportunidade de justificar o ocorrido. Expor alguém a um vexame público com certeza não irá ajudá-lo a errar menos.

Aja de maneira correta ao repreender outras pessoas. Isso facilitará o processo e tornará mais fácil a situação menos traumática para ambas as partes.

Está aí uma questão complicada no mundo corporativo: promessas não cumpridas. Um projeto não entregue no prazo, um produto ou serviço que chega com atraso, uma tarefa que precisa de prazo extra para ser cumprida. Isso acontece, muitas vezes, porque as pessoas são displicentes ou “querem dar o passo maior do que a perna”.

Antes de prometer qualquer coisa a alguém, é preciso se certificar de que você dispõe do tempo e dos meios para cumprir com sua palavra no prazo.

É essencial também não subestimar a rapidez com que o tempo passa e ter um planejamento de execução das etapas ou atividades. Se por acaso ocorrerem imprevistos, é fundamental comunicar com o máximo de antecedência que a promessa não poderá ser cumprida. Isso atenua os efeitos negativos da frustração da expectativa.

Habitue-se a prometer só aquilo que realmente você pode cumprir. Seja realista ao se comprometer com as pessoas e mantenha sempre sua credibilidade.

Frente às necessidades de adaptação às exigências do mercado, as empresas se valem cada dia mais de programas sistematizados para a adoção de novas práticas operacionais, administrativas e de gestão. Fazer esses programas saírem do papel exige planejamento, estratégia e jogo de cintura.

Todo e qualquer tipo de mudança ou novidade causa impacto num primeiro momento nas pessoas. Isso também é verdade na empresa.

Assim, a estratégia para a implementação de um novo programa deve ser posta em prática de maneira gradual, sempre levando em conta a situação atual, uma transição e a nova realidade. Querer impor novos procedimentos de maneira intempestiva não favorece a adesão dos colaboradores.

Nenhum programa corporativo de sucesso funciona sem a colaboração de todos na empresa. Saiba obter essa colaboração de uma maneira inteligente.

Muitas empresas frente a ampla gama de problemas que se apresentam no dia a dia corporativo acabaram estabelecendo verdadeiros programas sistematizados para resolvê-los. Mas a melhor alternativa, ainda é, não deixar que eles surjam ou eliminá-los quando ainda não trazem consequências importantes.

Um incidente com um cliente, um prazo de entrega não cumprido, um mal-entendido a respeito de um orçamento. Se essas ocorrências forem tratadas da maneira correta logo de início, elas podem nem chegar a se transformar em problemas. O que torna as situações mais difíceis, muitas vezes, é o fato de as pessoas evitarem o enfrentamento imediato.

Pense num pequeno vazamento de água. Enquanto ele é pequeno sua resolução é bastante simples, mas se ele for neglicenciado e aumentar, pode dar grandes dores de cabeça.

Atacar os problemas no trabalho de imediato e de frente é a maneira mais eficaz de evitar grandes transtornos no futuro.

Certas atividades profissionais podem envolver movimentos repetitivos ou exigir que os indivíduos mantenham uma mesma posição por tempo prolongado.

Nesses casos, as empresas são obrigadas por lei a fornecer orientações de saúde ocupacional aos colaboradores. E seguir essas orientações pode ser a diferença entre saúde e doença no médio e longo prazos.

As principais consequências de não se observar as orientações de saúde ocupacional são o aparecimento de doenças crônicas como LER (lesão por esforço repetitivo), problemas de coluna (cervical, dorsal, lombar), dores crônicas nas pernas, aparecimento e agravamento de varizes, etc. Os alongamentos e a ginástica laboral ensinados na empresa devem ser executados de maneira correta, pois caso contrário, o maior prejudicado será você mesmo.

Pense bem: não é preferível dedicar alguns momentos hoje para garantir a própria saúde no futuro?

A ansiedade e a preocupação estão as principais causas de doenças psicossomáticas (aquelas causadas pela influência da mente sobre o corpo). Viver preocupado virou quase que uma mania do mundo moderno. Prazos, contas, metas e outras obrigações tem tirado o sono e a paz de muitas pessoas.

Toda e qualquer atividade que alguém realiza envolve um certo grau de ansiedade. Ela é inerente ao ser humano e na medida certa, é até benéfica. Mas viver ansioso o tempo, pelo contrário, só traz malefícios.

Problemas estomacais, dores sem causa aparente, enxaqueca, tudo isso pode resultar de ansiedade não controlada. É preciso estar consciente de que só se vive um dia de cada vez e nada que se faça poderá mudar isso.

Planejar-se e manter-se organizado parece ser uma boa saída para controlar a ansiedade e a preocupação. Quem é organizado parece ter uma sensação de controle maior sobre a própria vida, o que por consequência diminui muito a ansiedade e a preocupação. Não tente antecipar o amanhã, pois “a cada dia já basta o seu próprio mal”.

Surge um problema sério no trabalho. Você imediatamente fica perdido e se desespera. Parece que não há solução. No entanto, a solução quase sempre é mais fácil do que você imagina e está bem perto de você.

Dificuldades, todos temos. No trabalho, em casa, nos momentos de lazer, em qualquer lugar. O que faz a diferença na hora de enfrentá-las é não deixar que elas sejam maiores do que nós. Enxergar os problemas como gigantes não nos ajuda a solucioná-los. Pelo contrário, só atrapalha. Ver o problema de cima e de fora é sempre a melhor solução. Planejar-se para atacar o problema também é uma estratégia eficiente.

O mais importante nos momentos de dificuldade é não se desesperar. O desespero tira nossa atenção e dificulta nosso pensamento. Mostre ao problema que você é maior do que ele. Isso certamente levará você a vencê-lo.