Muita gente não está na profissão que ama. Muitos até mesmo já pensaram em largar tudo e vender sanduíche natural na praia. Contudo, os maiores especialistas em carreira do mercado dão dicas que fogem desses pensamentos.

Tomar decisões precipitadas podem piorar a situação e deixar o profissional mais perdido ainda. Antes de trocar de profissão, relatamos algumas dicas de profissionais de carreira para melhorar a situação do empregado que se sente um peixe fora d’água.

A primeira atitude necessária é ter pensamento positivo. Segundo o consultor Carlos Diz, muitas vezes o profissional tem uma visão muito ruim do ambiente de trabalho, do chefe e dos colegas, contudo nem sempre é aquilo que ele está vendo.

Ocorre, às vezes, de uma percepção do empregado insatisfeito e não da realidade da empresa. O profissional não gosta da profissão que exerce e acaba “descontando” esse desagrado no ambiente que existe na organização e aí a situação só tende a piorar.

A próxima etapa é o empregado negociar algumas mudanças. Algumas vezes o profissional não está feliz no setor ou função que exerce, será que não seria uma boa ideia tentar trocar de área? Talvez o problema não seja da empresa e sim da função que o profissional está exercendo e não está se sentindo bem “encaixado” naquele exercício.

O profissional precisa também de ter um amigo para desabafar. Aquela sensação de fracasso e impotência pode ser amenizada caso o empregado tenha alguém para conversar. Não pode ser o chefe, é um amigo muito próximo, um conselheiro em que o profissional pode confiar.

Para amenizar o fardo daquela carreira mal escolhida é essencial que o empregado invista em momentos de lazer e a um hobby em que vá trazer uma grande sentimento de satisfação. Encontrar com amigos e familiares, praticar atividades físicas, cuidar do sono, da alimentação e realizar atividades relaxantes fazem toda a diferença para que o profissional suporte o ruim momento da carreira.

O empregado também precisa refletir se o que ele não gosta é mesmo da carreira, o ambiente de trabalho ou o conjunto da empresa. É importante o profissional fazer uma reflexão da sua vida pessoal e profissional para conseguir dar um rumo na carreira. O trabalho precisa ser bem escolhido, afinal passamos mais tempo nele do que com a própria família. Pensar em algum curso de especialização também pode fazer parte da mudança.

Por fim, os especialistas de carreira acreditam que com atividades extras e um bom uso do tempo livre podem surgir algum plano B para o profissional seguir sua vida de trabalho. Outra dica é aproveitar todas as oportunidades que aparecem e usufruir de todas as experiências adquiridas na carreira, no ambiente de trabalho e com os colegas. 

Por Carolina Miranda

Começo do ano é normal e a procura de empregos aumentar dando oportunidades para aqueles que buscaram um emprego no ano de 2013 sem conseguir.  Apesar de cada empresa ter seu código de ético, aí vão algumas dicas para quem foi efetivado, mas não sabe como se vestir, entre outros fatores:

O tempo – Um ótimo agente que pode ser usado ao seu favor. Vai com calma nas coisas, não tente mostrar tanto serviço e babar ovo do chefe (mulher ou homem). Além disso, irritar os funcionários pode acabar irritando o novo chefe também. É claro que vai ter aquele funcionário que está lá há mais tempo que puxará o saco do chefe, mas você não precisa se espelhar nele, claro;

Não se atrase – Seja pontual! Não precisa chegar aqueles quarenta minutos antes só para agradar o chefe, mas talvez uns 5 ou 10 minutos antes já esteja de bom tamanho;

Roupas – Escolha aquela que não te dê muita atenção (como uma calça social verde flosflorescente). Essa não seria uma boa para o primeiro dia de emprego. Ou para todos os outros dias. Vá com uma roupa social básica, calça ou saia social, sapatos e camisa social. No decorrer do tempo você vai perceber se vai ter liberdade para ir de outro jeito, como com um jeans básico;

Celular – Mantenha-o no silencioso (já que manter o celular desligado nos dias atuais é algo extremamente difícil e complicado). Se não colocá-lo no silencioso, pode colocar no vibratório, mas não o deixe em algum modo que toque. Imagina só você estar naquela reunião sobre as normas da empresa e começa a tocar uma música do Guns ‘n’ Roses? Acho que não seria uma coisa muito legal, apesar de basicamente todo mundo gostar do som;

Simpatia – Simpatia abre portas, essa é a verdade. Seja simpático, sorridente, cordeal e bem educado. Claro que talvez nem todo mundo vai ser assim com você também, mas aquela pessoa que for pode se tornar um amigo, já pensou nisso?

Essas são apenas algumas dicas que podem ajudá-lo no novo emprego.

Por Mariana Caetano

Depois de alguns anos de casa, você não se sente mais feliz no emprego, insatisfeito, você não sabe o que fazer. Sua relação com o chefe não está das melhores e a remuneração está um tanto ruim. Esses são alguns fatores que mostram a hora de você trocar de emprego. Principalmente se avaliar sua satisfação profissional.

Se o teu desejo é de crescer e você vê que ali não terá aquela chance, junto com os outros fatores, é bom começar a ver outra coisa. O mercado de trabalho está cada vez mais exigente, mas ainda assim, há solução.

Se você realmente sente que é hora de ir para outro, vá! Converse com o chefe, veja as coisas que você acumulou durante esses anos, a bagagem que ganhou e por que não pedir uma carta de recomendação se você realmente muito bom no que faz? O chefe não ficaria tão nervoso se você pedisse e conversasse explicando sua situação atual.

Claro que nem todos são maleáveis, mas a grande maioria em sua parte é, até porque eles são humanos também, então, seja simpático e paciente.

Planeje o que vai querer fazer, em que área trabalhar, manter a mesma ou ir para outra? Faça um bom currículo e espere. Uma outra dica é que seria bom que antes de você se demitir do emprego atual, você já tenha tudo certo em um outro emprego para que você não fique fora do mercado de trabalho e sem emprego (o que é pior do que estar fora do mercado, já que temos necessidades a toda hora que envolvem dinheiro, desde lazer até pagar as contas de água e luz). 

Entretanto, talvez vale a pena conversar com o chefe, pode ser uma boa solução.

Por Mariana Caetano