As mulheres continuam a receber, geralmente, menores salários em relação aos homens. Pesquisa emitida pela empresa Catho Online avalia que a diferença entre um sexo e outro chega até 51%, mesmo com a ala feminina portando pós-graduação, de acordo com dados obtidos por meio de 164 mil entrevistados situados em 20 mil empresas no Brasil.

Caso gritante é de mesma ocupação de função, com vantagem para os homens em todos os níveis. A gerência, um dos cargos mais almejados pela grande maioria, abrange o percentual discrepante de 51,6% em média, com o setor operacional em seguida, abalizando 50,7%, e o técnico mais adiante, com distinção de 37,5%.

Se as remunerações são desfavoráveis às mulheres, o mesmo não acontece na formação, segundo a Folha Online. De todos os homens pesquisados, 38% possuem graduação e 17,3%, pós-graduação; o sexo feminino detém 44,2% de graduadas e outros 19,5% de pós-graduadas.

Por Luiz Felipe T. Erdei