Quantas pessoas você conhece que são viciadas em trabalho? Elas simplesmente comem, bebem e respiram trabalho. Enquanto isso, o (a) esposo (a) e os filhos permanecem sempre em segundo plano, sem a devida atenção que tanto merecem.

É inegável que as atividades laborativas constituem uma boa parte da vida de uma pessoa. Mas se elas passam a preencher todo o seu tempo, algo está errado. Nenhum ser humano pode viver isolado. E a referência de qualquer indivíduo, é, em primeiro lugar, o núcleo familiar. É preciso conviver, interagir, fazer parte, saber o máximo possível sobre o que o cônjuge e os filhos pensam, precisam e almejam.

Não coloque sua família em segundo plano em detrimento do trabalho. O tempo passa muito rápido e um dia você pode se dar conta do quanto perdeu em termos pessoais e emocionais agindo dessa maneira.