Quem nunca se deparou com a situação de um colega de trabalho com mau hálito? Ou com aquele que não toma banho todos os dias e exala mau cheiro? Ou ainda com aquele que usa a mesma roupa a semana toda? Higiene e asseio são itens indispensáveis para a vida em sociedade e na empresa isso também é sempre válido.

Nada mais desagradável que ter que conviver com alguém que não segue as regras básicas de higiene. As medidas de asseio individual e coletivo jamais podem deixar de ser observadas em um ambiente corporativo.

Comparecer ao trabalho limpo, barbeado (no caso dos homens) e com roupas em condições mínimas de uso são parte disso. Lavar as mãos após usar o sanitário também. Se você tem problema de halitose (mau hálito), identifique o mais rápido possível a causa e trate-a.

Todos se sentem bem perto de pessoas que observam as normas de higiene. Além de estar respeitando os outros, quem é asseado demonstra respeito a si mesmo e à própria saúde.

Em uma conjuntura em que tempo significa dinheiro, a pontualidade assume um papel inquestionável nas relações profissionais e empresariais. Chegar no horário correto ao trabalho, cumprir a hora agendada para uma reunião interna ou com um cliente são demonstrações da preocupação que as pessoas devem ter com seu tempo e o dos outros também.

Levar à risca a jornada diária é obrigação do colaborador. Atrasos repetitivos são sinais de desleixo e falta de comprometimento. Do mesmo modo, marcar uma reunião externa ou interna e fazer os outros envolvidos esperarem é evidência de falta de consideração e responsabilidade. O não cumprimento de horários pode até mesmo pôr a perder o seu lugar na empresa ou o fechamento de negócios importantes.

Esforce-se ao máximo para ser pontual. E na ocorrência de eventualidades, comunique à empresa ou às outras pessoas o mais rapidamente possível sobre o seu atraso.

Ninguém é obrigado a esperá-lo simplesmente porque você é escravo da função “soneca” do seu despertador ou porque o seu banho tem uma duração de 40 min.

Num mundo cada vez mais individualista, as palavras de cortesia como “obrigado”, “por favor” e “com licença” tem perdido seu espaço. Nas corporações ocorre o mesmo. Muitas pessoas estão se esquecendo de usá-las, o que tem dificultado as boas relações interpessoais.

A boa educação e a gentileza são coisas que se traz como bagagem de vida. Palavras corteses usadas nos momentos adequados abrem portas, ganham a colaboração das pessoas e melhoram o ambiente.

Tratar os outros de maneira seca e ríspida é o pior modo de querer obter resultados satisfatórios numa organização. Ao manter contatos de forma abrupta você gera uma postura de recolhimento e revolta nos outros, o que influi diretamente em sua disposição para cooperarem.

Acostume-se em usar de cortesia no trabalho. Você verá que os resultados em termos de relacionamentos e produção podem ser muito compensadores.

Tudo o que é novo sempre acaba causando certa ansiedade no ser humano. O início de uma nova etapa profissional também. Mas há alguns posicionamentos que ajudam muito a superar esse primeiro momento de “frio na barriga” e tornam o período de adaptação um pouco menos traumático.

Em primeiro lugar seja você mesmo. Nunca tente impressionar colegas e superiores querendo inventar um personagem que na verdade não existe.

Isso sempre acaba sendo descoberto depois e você acabando se saindo mal. Além disso, esteja sempre aberto a aprender com humildade. Por mais gabaritado que você seja, um novo trabalho sempre tem detalhes com os quais você nunca se deparou antes. Procure também conhecer as pessoas com quem você vai trabalhar. Não ignore ninguém e sempre trate todos com respeito. Por fim, sempre se coloque a serviço dos outros. Essa atitude sinaliza que você uma pessoa cooperativa e lhe abre muitas portas.

O pontapé inicial em um novo trabalho não precisa ser exatamente pertubador. Tudo dependerá do quão disposto você está para enfrentar o novo desafio.

A sociedade humana é regida por um conjunto de normas e procedimentos que visam a determinar a fronteira entre o certo e o errado, entre o que é lícito e o que é ilícito. Quando se trata de cada indivíduo em si, esse conjunto chama-se moral. À soma do senso comum do que a sociedade entende por moral, dá-se o nome de ética. A ética tem sido muito debatida no meio corporativo nos últimos tempos.

Pisar em colegas para subir a qualquer custo, assediar moralmente os subordinadas, usar de meios escusos para obter vantagens para si. Todas essas práticas constituem comportamentos anti-éticos no ambiente profissional.

O indivíduo sem ética enxerga apenas a si mesmo, não se importando o que as outras pessoas sofram em consequência disso. As relações de trabalho, dessa forma, se deterioram; e os colaboradores e a empresa saem perdendo.

Faça imperar o respeito, a camaradagem, a conversa clara e o altruísmo em sua empresa. O ambiente, assim, se tornará melhor e todas as pessoas se sentirão motivadas, pois não há nada pior do que uma organização na qual vale a “lei da selva”.

É sempre a mesma coisa: seu colega chega e se pendura no telefone a manhã toda. Você percebe que não são assuntos de trabalho e sim pessoais ou até mesmo meras futilidades. Ele é um exemplo a seguir? Obviamente que não.

O patrimônio e os bens da empresa pertencem a ela e a mais ninguém. Cada empresa tem regras internas para o uso do seu patrimônio e dos equipamentos pelos colaboradores.

Evite usar o telefone para assuntos pessoais, fazer “freelances” no horário de expediente ou se aproveitar de coisas dentro da empresa para resolver seus problemas.

Quem age assim é mal visto e pode vir a ter aborrecimentos no futuro. Tenha bom senso! A empresa não foi feita para você usufruir dela sem controle, e sim para que você e ela possam ganhar juntos.

Vivemos num mundo cada vez mais individualista. Cada um pensa só em si mesmo e no próprio bem-estar. Isso não é diferente também no mundo do trabalho. A boa educação e a cortesia estão deixando de existir. O por favor, o com licença e o obrigado estão ficando cada dia mais raros.

Quando nossas mães nos educam, ensinam-nos desde pequenos que devemos ser educados e gentis com todos, não é mesmo? Mas à medida que crescemos vamos nos esquecendo desses sábios ensinamentos. Como é bom ser tratado comgentileza e boas maneiras, isso deixa as pessoas satisfeitas e muitas vezes abre portas.

Não economize nas palavras amáveis e educadas. Ninguém achará ruim se você mostrar que tem consideração pelo outros, tratando-os com o respeito que merecem. Respeito sempre foi bom e todo mundo gosta.