O mundo dos negócios atualmente é uma área de feras tentando devorar os mais fracos e vulneráveis, onde os fracos não têm vez e os fortes são implacáveis exigindo cada vez mais das pessoas, agilidade mental, saúde física e intelecto refinado, e no mundo corporativo a história não é diferente.

Para ser um profissional excelente a pessoa deve ser responsável, ter atitudes, não deixar a sua carreira depender de outros profissionais, estar sempre atualizado e traçar seu próprio futuro.

O presidente da Gutemberg Consultores afirma que “Antigamente eram as empresas que decidiam quais atividades seriam destinadas para cada tipo de profissional, e o mesmo apenas obedecia. Hoje, é o profissional que cria seu próprio destino, ele é responsável por si só” – trecho de uma entrevista ao site Emprego Certo.

Gutemberg de Macedo dá dicas de como se tornar um profissional com extrema excelência, também conhecido como “profissional classe A”, para conferi-las clique aqui.

Por Levi Rocha

Existe um ditado que todas as pessoas deveriam ter em mente em todos os setores de suas vidas: “O que não tem solução, solucionado está”. Na empresa essa máxima também é verdade. Certos problemas e situações irremediáveis precisam ser esquecidos e as atenções voltadas para eles não se repitam.

Seu concorrente apresentou um preço ou proposta que você não pode cobrir? As exigências do cliente simplesmente não são realizáveis pela companhia? Seu departamento foi extinto e você, realocado para um outro? Aceite a situação ou a dificuldade e se adapte a eles, já que há como resolvê-los. Não adianta ficar remoendo essas coisas. O melhor mesmo é seguir em frente e se focar naquilo que você é capaz de solucionar.

Uma certa dose de resignação às vezes poupa sofrimentos no mundo corporativo. Tome a sua no momento certo e comece a acumular menos frustrações.

Com o aumento da competitividade e das exigências do mercado de trabalho, um curso de pós-graduação virou praticamente um item obrigatório para aqueles que buscam manter-se atualizados. Muitas pessoas, no entanto, frequentam esse tipo de curso apenas visando a possíveis vantagens financeiras ou de olho em uma possível promoção. Mas saiba que eles podem contribuir com muito mais do que isso para sua vida profissional.

A aquisição de novos conhecimentos, o contato com pessoas novas e as diferentes maneiras de se enxergar as coisas são frutos que podem ser colhidos em um curso de pós. Essa bagagem acumulada pode ajudar e, muito, a levar visões inéditas para sua empresa, despertando a criatividade e a inovação.

Tenha participação ativa em seu curso de pós. Debata, discuta e participe com entusiasmo em todas as atividades propostas. Agindo assim, você será capaz de “oxigenar” o modo como você e sua empresa veem o trabalho.

Em algumas organizações, é comum que certos indivíduos, para se livrarem rapidamente de algum tipo de tarefa, executem-na de maneira incompleta ou fora dos padrões. Na ânsia de terem o trabalho pronto o mais rápido possível, esquecem-se que rapidez nem sempre é sinônimo de qualidade.

O retrabalho é uma ocorrência que emperra o desenvolvimento de muitas empresas. Ter que repetir um mesmo procedimento mais de uma vez é um desperdício de tempo e de recursos.

Num ambiente de competição em que todos os detalhes influenciam o resultado final das corporações, é inaceitável que isso aconteça. É preciso que todos estejam cientes de que cada trabalho que precisa ser feito duas vezes representa um desgaste desnecessário tanto para o colaborador quanto para a empresa.

Declare guerra ao retrabalho. Concentre todas as suas forças para que tudo saia a contento já na primeira vez.

Num mercado competitivo como o atual, a atualização do profissional é praticamente uma das condições de sobrevivência no mercado de trabalho. Encontrar maneiras rápidas e eficazes de atingir esse objetivo é algo que poupa tempo para aqueles que não podem frequentar os cursos ditos “formais”.

Cursos rápidos de fim de semana, workshops e treinamentos compactos são grandes armas para conseguir se manter a par do acontece no mercado. Eles geralmente costumam trazer informações atualizadas, num curto espaço de tempo e de maneira objetiva, o que acaba facilitando a assimilação. A troca de experiências com pessoas da área e muitas vezes com personalidades de destaque, também é um ponto a favor da participação nesse tipo de atividade.

O mais importante é estar atento a esse tipo de evento e sempre que possível marcar presença, pois sabe-se que quem é capaz de gerir seu conhecimento e ampliá-lo de forma sistemática tem mais chances de se manter vivo no mercado.

São lançadas as metas de venda para o mês. Quem bater a meta terá direito a um prêmio especial. Seu chefe cobra a cada instante os resultados de maneira truculenta. Você precisa entrar no “salve-se quem puder”? 

A competividade é uma característica inerente ao ser humano. Ela o instiga a vencer desafios, a querer ser melhor, a superar a si mesmo e aos outros. Mas transformar a empresa numa arena de luta livre onde tudo e todos vivem numa competição desenfreada não é a melhor maneira de agir. É preciso estimular uma competição saudável, focada em resultados, não uma guerra implacável e sangrenta.

A competição pode ser um motor saudável para a empresa, desde que incentivada na medida certa e de maneira ética.