A carga de trabalho do cenário corporativo moderno algumas vezes obriga os indivíduos a fazerem horas extras na empresa. Se é um serviço que diz respeito apenas à própria pessoa, ela pode acabar tendo que permanecer trabalhando de forma isolada. Para isso, é preciso uma série de cuidados em relação à segurança do colaborador e da organização.

Ao ficar na empresa sozinho, procure manusear somente os itens que estão diretamente relacionados a você. Não mexa em objetos e documentos de outros colegas, a não ser que tenha recebido autorização direta deles. Ao entrar e sair do local, esteja atento aos arredores para ser capaz de identificar a presença de pessoas suspeitas. Se a companhia mantém serviço de segurança privada, estabeleça uma boa relação com as pessoas responsáveis por ela. Isso pode se lhe ser muito útil em caso de emergência.

Fazer hora extra sozinho não é agradável, mas por vezes, é necessário. Apesar de desagradável, no entanto, essa experiência precisa ser segura.

O objetivo principal de qualquer organização é ser rentável e poder, com o tempo, crescer. Esse processo de expansão depende, entre outros fatores, de colaboradores comprometidos com a evolução do negócio. Você é capaz de ajudar, e muito, na expansão da companhia em que trabalha.

Sempre que uma empresa deseja ampliar suas atividades, ela costuma confiar nos talentos internos para realizar essa tarefa. São pessoas que já conhecem muito sobre aquilo que fazem. Quem é escolhido para isso precisa dar o melhor de si para fazer dar certo e estar atento a todas as variáveis que influenciarão no sucesso dessa ampliação.

Participe com entusiasmo do processo evolutivo de sua organização. Isso lhe trará satisfação pessoal e, muitas vezes, benefícios profissionais no futuro também.

Todas as organizações possuem ou, pelo menos, deveriam possuir, procedimentos internos sistematizados para a execução de atividades. Com o passar o tempo, é essencial rever esses procedimentos para adaptá-los às dificuldades encontradas em sua execução.

Muito poucas coisas no mundo permanecem imutáveis. A maneira de se trabalhar numa organização não é diferente. A prática ensina que é necessário acrescentar ou suprimir etapas no “modus operandi” de como as coisas são feitas no trabalho. Ter receio de fazer mudanças é condenar um procedimento a se tornar obsoleto e ineficaz. E essas mudanças precisam ser discutidas e aprovadas por todos aqueles diretamente envolvidos.

Repensar normas internas, regulamentos e procedimentos operacionais padrão é demonstração de pró-atividade e inteligência. É o modo mais sensato de reagir às alterações que ocorrem no mundo que o rodeia.

Você tem feito muitas horas extras? Se a resposta for sim, é possível que você e a empresa onde você trabalha estejam tendo um problema. O trabalho adicional foi instituído para suprir carências eventuais da jornada normal, e não para se tornar um hábito.

Além de acabarem esgotando os colaboradores com o tempo, as horas extras saem muito caro para as organizações. Se remuneradas, o custo é financeiro é alto. Se compensadas com folgas, elas exigem uma intrincado planejamento para que nenhum setor fique desguarnecido. Também é preciso estar atento para que evitar que colaboradores “forjem” horas extras apenas visando a um aumento de remuneração.

Trabalhe junto com o RH da sua empresa para evitar ao máximo que se recorra à extensão de jornada. Com um mínimo de estratégia é possível dar conta de todas as atividades sem ter que ficar “esticando” o expediente.

Existem muitos indivíduos que, se aproveitando da oportunidade de lidarem com materiais de consumo da empresa, acabam fazendo uso deles em situações particulares. Imprimem trabalhos escolares seus ou dos filhos, “surrupiam” canetas ou lápis para usarem em casa, desviam alimentos de uso coletivo da cozinha.

Tirar proveito de coisas que a companhia oferece para o trabalho interno para benefício próprio é uma prática inaceitável. Constitui a manifestação de um tipo velado de desonestidade. Como você se sentiria se alguém invadisse sua casa e passasse a usar o que você tem de maneira escondida? Com certeza você não iria gostar.

Utilizar os materiais da organização de forma correta demonstra o respeito que o colaborador deve ter com ela. Não estrague sua imagem dentro da empresa com uma coisa tão pequena.

Tudo o que é novo sempre acaba causando certa ansiedade no ser humano. O início de uma nova etapa profissional também. Mas há alguns posicionamentos que ajudam muito a superar esse primeiro momento de “frio na barriga” e tornam o período de adaptação um pouco menos traumático.

Em primeiro lugar seja você mesmo. Nunca tente impressionar colegas e superiores querendo inventar um personagem que na verdade não existe.

Isso sempre acaba sendo descoberto depois e você acabando se saindo mal. Além disso, esteja sempre aberto a aprender com humildade. Por mais gabaritado que você seja, um novo trabalho sempre tem detalhes com os quais você nunca se deparou antes. Procure também conhecer as pessoas com quem você vai trabalhar. Não ignore ninguém e sempre trate todos com respeito. Por fim, sempre se coloque a serviço dos outros. Essa atitude sinaliza que você uma pessoa cooperativa e lhe abre muitas portas.

O pontapé inicial em um novo trabalho não precisa ser exatamente pertubador. Tudo dependerá do quão disposto você está para enfrentar o novo desafio.

Todas as organizações acabam passando mais cedo ou mais tarde por momentos turbulentos. Crises econômicas, acirramento de concorrência, realinhamento do mercado. Todos esses eventos podem trazer dificuldades para a empresa. É em momentos como esse que os indivíduos devem assumir a responsabilidade para poder mostrar realmente a que vieram.

Em épocas complicadas, é possível ver claramente a diferença entre as pessoas que só fazem o “básico” e aquelas que realmente estão comprometidas. As que se limitam ao essencial, sentam e reclamam das adversidades. As comprometidas arregaçam as mangas e buscam oportunidades em meio às incertezas. Elas sugerem, discutem e inovam. Elas buscam soluções onde ninguém poderia imaginar.

Comprometer-se com a companhia em tempos difíceis diferencia os fortes dos fracos, os medíocres daqueles que querem sempre mais. Passe para o time dos que são maiores do que os problemas. Você se surpreenderá com o quanto você pode realizar.

Frente às necessidades de adaptação às exigências do mercado, as empresas se valem cada dia mais de programas sistematizados para a adoção de novas práticas operacionais, administrativas e de gestão. Fazer esses programas saírem do papel exige planejamento, estratégia e jogo de cintura.

Todo e qualquer tipo de mudança ou novidade causa impacto num primeiro momento nas pessoas. Isso também é verdade na empresa.

Assim, a estratégia para a implementação de um novo programa deve ser posta em prática de maneira gradual, sempre levando em conta a situação atual, uma transição e a nova realidade. Querer impor novos procedimentos de maneira intempestiva não favorece a adesão dos colaboradores.

Nenhum programa corporativo de sucesso funciona sem a colaboração de todos na empresa. Saiba obter essa colaboração de uma maneira inteligente.

Em todas as empresas sempre existem pequenas e grandes questões a serem enfrentadas. Nota-se que, algumas vezes, problemas que não são resolvidos durante anos são solucionados com a ajuda de uma sugestão de um colaborador.

Sobretudo em empresas maiores, existem políticas de coletas de sugestões dos funcionários. Mas, muitas pessoas nem se arriscam a participar delas pois acreditam que suas ideias são fora de propósito. Isso é um engano muito grande.

Idéias e conceitos simples já resolveram problemas crônicos de algumas corporações. Detalhes pequenos que só uma pessoa percebeu podem representar ganho em eficiência e redução de custos. Se a empresa dá abertura para esse tipo de prática, é porque quer que você colabore.

Adquira o hábito de dar sugestões no trabalho. Você pode acabar surpreendendo a sua empresa e até a você mesmo.

Surge um problema sério no trabalho. Você imediatamente fica perdido e se desespera. Parece que não há solução. No entanto, a solução quase sempre é mais fácil do que você imagina e está bem perto de você.

Dificuldades, todos temos. No trabalho, em casa, nos momentos de lazer, em qualquer lugar. O que faz a diferença na hora de enfrentá-las é não deixar que elas sejam maiores do que nós. Enxergar os problemas como gigantes não nos ajuda a solucioná-los. Pelo contrário, só atrapalha. Ver o problema de cima e de fora é sempre a melhor solução. Planejar-se para atacar o problema também é uma estratégia eficiente.

O mais importante nos momentos de dificuldade é não se desesperar. O desespero tira nossa atenção e dificulta nosso pensamento. Mostre ao problema que você é maior do que ele. Isso certamente levará você a vencê-lo.

Sua empresa possui muitas filiais. Elas podem estar próximas umas das outras ou espalhadas em uma grande área, mas o problema é sempre o mesmo: falta de integração ou colaboração entre a matriz e as subsidiárias.

Uma empresa começa a abrir filiais pela necessidade de se expandir no mercado. Este projeto precisa ser muito bem planejado e executado.

Garantir uma afinidade constante entre a matriz e as filiais muitas vezes garante o sucesso da expansão. Esteja sempre pronto a colaborar com seus colegas da matriz, assim como esteja disposto também a cooperar com eles.

Vocês não conseguirão viver uns sem os outros, portanto tratem de formar uma equipe e comecem a trabalhar juntos pelo bem de todos.

É fim de tarde, seu colega lhe pede ajuda para uma tarefa difícil: o que você faz? Dá uma desculpa esfarrapada ou ajuda gentilmente? A resposta a essa pergunta define se você é um servidor ou não no seu ambiente de trabalho.

Servir é um dos atos que mais pode trazer bem ao ser humano. Em casa, no trabalho, na rua, na igreja, em qualquer lugar, ajudar ao semelhante funciona como um bálsamo num mundo tão competitivo e complicado como o nosso.

No local de trabalho, ajudar aos outros demonstra o quanto você se importa com eles e pode refletir em benefícios para você no futuro.

Não que você tenha que esperar retribuição quando auxilia alguém, mas essa contra-partida tem grandes chances de ocorrer.

Sendo assim, ajude seus colegas. O mínimo que você irá ganhar é a sensação de dever cumprido ao final de cada dia.