Ser Caminhoneiro. É uma profissão que sustenta muitas famílias pelo Brasil todo. Mas não é uma profissão fácil ou tão bem remunerada como deveria.

O Caminhoneiro está exposto a todo tipo de sorte negativa durante o exercício de sua profissão. Riscos de saúde, de segurança (assaltos e acidentes), entre outros fatores que fazem da profissão de caminhoneiro umas das mais perigosas ao conjunto geral (Saúde-Segurança).

Mas qual criança não sonhou dirigir um caminhão? Quem não fica admirado quando vê aquela enorme carreta fazendo uma manobra difícil – é o cara, alguns dizem. Realmente impressiona a habilidade que alguns têm na condução daqueles monstros sobre rodas (e são muitas rodas). São rotinas estressantes, dias e dias longe da família, sob a constante tensão de medo de assaltos e somados a isso, as péssimas condições de algumas das mais movimentas rodovias brasileiras. Tudo isso faz do caminhoneiro, um guerreiro. Muitos, depois de passarem por situações de extremo estresse, como um assalto, revoltam-se com a profissão, dizem que vão abandonar, parar com essa vida, mas fazer o que depois?

Ser caminhoneiro, no passado, era visto como uma profissão romântica (quem viu a série Pedro e Bino deve ter sentido isso), onde o caminhoneiro era uma namorador nato, com uma esposa em cada estado, onde vivia grandes emoções nas estradas. Hoje, ser caminhoneiro tornou-se uma profissão de risco, por tudo que já foi falado anteriormente.

A figura do caminhoneiro despreocupado ainda circula na memória das pessoas, mas hoje as empresas exigem muito desses profissionais, fora os problemas já citados nas estradas. As jornadas são longas e às vezes as condições de trabalho não são tão boas. E tudo isso tem afastado muitas pessoas do desejo de ser caminhoneiro. Embora ainda a remuneração não seja das mais atraentes, os profissionais disponíveis têm tido uma valorização, pois mais tem saído profissionais no mercado do que entrado.

 Se tudo nesse artigo não diminuiu seu desejo de ser caminhoneiro, então se prepare, cuide de sua saúde e tenha uma boa viagem!

Por Luciana Viturino