Veja aqui como a ansiedade pode atrapalhar a sua carreira profissional e o que fazer para ameniza-la.

Sabia que a ansiedade pode estar travando o seu desenvolvimento pessoal e profissional? É preciso ter cautela para lidar com a ansiedade, sobretudo quando este sentimento mistura aos anseios na carreira. Por exemplo, um profissional extremamente ansioso pode perder o controle emocional e desenvolver vários tipos de doenças como, por exemplo, gastrite ou taquicardia.

Nas empresas, existem determinados tipos de comportamentos que revelam o nível de ansiedade de muitos empregados. Geralmente, os mais ansiosos podem querer mostrar serviço o tempo todo e acabar sendo inconveniente. Por isso, é fundamental saber ser proativo e também respeitar o espaço do outro colaborador. Ou seja, evite querer ajudar as pessoas o tempo todo ou pegar muito trabalho para mostrar a sua capacidade. Neste sentido, comprometa-se somente com o que você pode cumprir.

As pessoas muito ansiosas são extremamente pessimistas e, normalmente, costumam ver apenas o lado negativo das situações e consideram que tudo vai dar errado e os objetivos não serão alcançados. Por isso, os profissionais podem tomar decisões precipitadas, sem avaliar os prós ou contras das situações e por agir por impulso, podem perder boas oportunidades.

Este sentimento também pode provocar muita desmotivação e assim o profissional pode querer atirar para todos os lados e perder o foco. Assim, a pessoa acaba sofrendo por esperar uma promoção nova ou até uma mudança na carreira.

A ansiedade também pode gerar instabilidade, porque a pessoa pode ficar em dúvida sobre o que ela quer para a vida. Devido à isso, acaba mudando de emprego rápido e buscando outras oportunidades com medo de se frustar. Desta forma, a pessoa não enxerga que o problema esta nela e que precisa ser consertado, e no futuro isso pode gerar um ciclo vicioso.

Portanto, este sentimento pode ser controlado e a pessoa precisa aprender a superá-lo. O controle pode ser feito através do lazer, atividades físicas ou meditação. Você se considera muito ansioso?

Por Babi

Problema pode prejudicar a vida profissional. Confira aqui algumas dicas para diminuir a sua ansiedade.

A ansiedade é um sentimento comum, mas ela pode ser extremamente prejudicial na vida profissional, porque pode comprometer a vida profissional e pessoal. Nem toda a ansiedade é ruim, por isso, é fundamental saber usá-la a seu favor. Por exemplo, pessoas que sofrem de forma excessiva de ansiedade tendem a ter sudoreses elevadas, tremores, dores musculares, tonturas, entre outras. Os sintomas interferem no rendimento, no sono, raciocínio, concentração e também nas funções que exigem um esforço cognitivo. Que tal conferir  algumas dicas de como evitar a ansiedade?

O primeiro passo é a pessoa identificar que realmente está sofrendo com a ansiedade. Você está sofrendo com os sintomas desencadeados por ela? Fica preocupado de forma excessiva ou antecipando possíveis situações? Você não consegue ter controle dos seus pensamentos? Não consegue se concentrar nas suas atividades do trabalho?

O profissional deve procurar auxílio como, por exemplo, o próprio médico do trabalho da empresa, Ou seja, é preciso buscar um diagnóstico para que o problema possa ser solucionado. Existem diferentes tipos de ansiedade como a generalizada, social, fóbica, transtorno de pânico, entre outras. O auxílio profissional é fundamental no tratamento e diagnóstico da ansiedade.

Uma das principais técnicas usadas para o controle ou a resolução dos problemas causados pela ansiedade é a psicoterapia cognitiva. Além disso, você sabia que as atividades físicas ajudam a diminuir os sintomas causados pela ansiedade?

Além de ajudar a manter a forma, as atividades físicas auxiliam no controle do estresse e dos sintomas provocados pela ansiedade. Que tal separar um tempo na sua agenda para fazer uma corrida, caminhada ou outra atividade física?

Invista nos exercícios físicos, pelo menos três vezes por semana. Ao longo do tempo, a pessoa vai poder sentir a diferença e o bem estar. Assim, o profissional que sofre de ansiedade deve procurar formas para lidar e controlar este sentimento, para que ele não interfira de forma negativa no seu rendimento.

Por Babi

Existe um ditado que todas as pessoas deveriam ter em mente em todos os setores de suas vidas: “O que não tem solução, solucionado está”. Na empresa essa máxima também é verdade. Certos problemas e situações irremediáveis precisam ser esquecidos e as atenções voltadas para eles não se repitam.

Seu concorrente apresentou um preço ou proposta que você não pode cobrir? As exigências do cliente simplesmente não são realizáveis pela companhia? Seu departamento foi extinto e você, realocado para um outro? Aceite a situação ou a dificuldade e se adapte a eles, já que há como resolvê-los. Não adianta ficar remoendo essas coisas. O melhor mesmo é seguir em frente e se focar naquilo que você é capaz de solucionar.

Uma certa dose de resignação às vezes poupa sofrimentos no mundo corporativo. Tome a sua no momento certo e comece a acumular menos frustrações.

A ansiedade e a preocupação estão as principais causas de doenças psicossomáticas (aquelas causadas pela influência da mente sobre o corpo). Viver preocupado virou quase que uma mania do mundo moderno. Prazos, contas, metas e outras obrigações tem tirado o sono e a paz de muitas pessoas.

Toda e qualquer atividade que alguém realiza envolve um certo grau de ansiedade. Ela é inerente ao ser humano e na medida certa, é até benéfica. Mas viver ansioso o tempo, pelo contrário, só traz malefícios.

Problemas estomacais, dores sem causa aparente, enxaqueca, tudo isso pode resultar de ansiedade não controlada. É preciso estar consciente de que só se vive um dia de cada vez e nada que se faça poderá mudar isso.

Planejar-se e manter-se organizado parece ser uma boa saída para controlar a ansiedade e a preocupação. Quem é organizado parece ter uma sensação de controle maior sobre a própria vida, o que por consequência diminui muito a ansiedade e a preocupação. Não tente antecipar o amanhã, pois “a cada dia já basta o seu próprio mal”.