Várias vezes já atendemos clientes irritados, com diversas reclamações, que não querem ouvir e principalmente que só sabem xingar.

Clientes descontrolados por algum problema, tem sua razão, porém o que o funcionário não pode fazer, em hipótese alguma, é “ceder” a essa pressão.

Manter o controle é indispensável nessas situações.

Lembre-se sempre que o cliente está passando por algum problema e quer ser ouvido e principalmente que essas reclamações e xingamentos não são para você, nunca é pessoal e sim para a empresa

Conseguindo separar essa diferença, além de um ótimo atendimento, o funcionário poderá até mesmo reverter a situação e fidelizar o cliente.

Por José Alberi Fortes Junior

Existe um ditado que todas as pessoas deveriam ter em mente em todos os setores de suas vidas: “O que não tem solução, solucionado está”. Na empresa essa máxima também é verdade. Certos problemas e situações irremediáveis precisam ser esquecidos e as atenções voltadas para eles não se repitam.

Seu concorrente apresentou um preço ou proposta que você não pode cobrir? As exigências do cliente simplesmente não são realizáveis pela companhia? Seu departamento foi extinto e você, realocado para um outro? Aceite a situação ou a dificuldade e se adapte a eles, já que há como resolvê-los. Não adianta ficar remoendo essas coisas. O melhor mesmo é seguir em frente e se focar naquilo que você é capaz de solucionar.

Uma certa dose de resignação às vezes poupa sofrimentos no mundo corporativo. Tome a sua no momento certo e comece a acumular menos frustrações.

Você muito provavelmente já deve ter convivido com pessoas com um gênio terrível no seu local de trabalho. Tolerância e paciência são palavras inexistentes para elas e tudo é motivo para discussões, brigas e mal-entendidos. Esse tipo de postura tumultua qualquer empresa, tornando o ambiente um barril de pólvora sempre prestes a explodir.

Um indivíduo destemperado é alguém que tem sérias dificuldades em lidar com frustrações. Se as coisas não acontecem como ele imagina, sua defesa é esbravejar, gritar, xingar e ofender. Mal sabe ele que isso só piora ainda mais a situação, pois ninguém está disposto a suportar essa espécie de comportamento. Ele só acaba gerando mais e mais inimizades, até que se atinja um ponto em que o trabalho em grupo e a convivência se tornem insustentáveis. Ele precisa ter a consciência de que se essa atitude não mudar, sua sobrevivência no mercado de trabalho moderno será de curto prazo.

Colaboradores brigões aí vai uma dica: reflitam sempre se vale a pena iniciar um conflito. Em 99% dos casos, vocês verão que isso é perda de tempo e que quase sempre tudo pode ser resolvido de modo pacífico e sem traumas para todos os envolvidos.

Todo ser humano tem necessidade de ser reconhecido pelo que faz. Quando isso não acontece ou acontece em menor proporção do que as pessoas esperam, surgem o descontentamento, a inveja (em relação aos que foram reconhecidos) e por fim os conflitos. Isso é muito comum numa equipe de trabalho.

Uma boa parte dos indivíduos não tem uma auto-estima num nível tão elevado a ponto de reconhecerem por si mesmos de que estão fazendo um bom trabalho. Eles contam com o aval de seus superiores para terem certeza de que estão no caminho certo. Com o objetivo de chamar a atenção para esta situação, eles inventam conflitos por coisas banais, mas que no fundo são o reflexo de um ego insatisfeito. Nessa hora, o líder de equipe deve estar muito atento para acalmar os ânimos e colocar as coisas nos seus devidos lugares.

Aprenda a identificar as reais causas de conflito em sua equipe de trabalho. Procure disciplinar e “massagear” os egos para fazer a poeira baixar sempre que necessário.

Muitas empresas frente a ampla gama de problemas que se apresentam no dia a dia corporativo acabaram estabelecendo verdadeiros programas sistematizados para resolvê-los. Mas a melhor alternativa, ainda é, não deixar que eles surjam ou eliminá-los quando ainda não trazem consequências importantes.

Um incidente com um cliente, um prazo de entrega não cumprido, um mal-entendido a respeito de um orçamento. Se essas ocorrências forem tratadas da maneira correta logo de início, elas podem nem chegar a se transformar em problemas. O que torna as situações mais difíceis, muitas vezes, é o fato de as pessoas evitarem o enfrentamento imediato.

Pense num pequeno vazamento de água. Enquanto ele é pequeno sua resolução é bastante simples, mas se ele for neglicenciado e aumentar, pode dar grandes dores de cabeça.

Atacar os problemas no trabalho de imediato e de frente é a maneira mais eficaz de evitar grandes transtornos no futuro.

Há coisas na vida que são incontestáveis. Uma delas é o fato de que os relacionamentos humanos passam, vez por outra, por turbulências. Nas equipes de trabalho de trabalho nas empresas, essa é uma ocorrência comum. Nessas horas, a habilidade do líder de equipe em lidar com as desavenças é fundamental para que elas sejam resolvidas o mais rápido possível.

O ser humano é contestador por natureza. A necessidade das pessoas de defenderem suas próprias idéias ou mesmo de auto-afirmação está sempre presente. É fundamental que o líder de equipe tenha a sensibilidade para perceber o confronto entre os “egos” dos participantes e aja no sentido de não deixar que os conflitos se transformem em batalhas ou até mesmo, em guerras. Acalmar os ânimos e manter uma discussão aberta e franca com todos é sempre é o melhor caminho.

Administrar conflitos é mais do que uma competência exigida pelo mercado atual, é uma arte. Arte essa que só aprende ao longo do tempo, errando e acertando.